Qualquer destino vale a pena. Se você souber se planejar e se preparar…

Muito se tem falado da Irlanda ultimamente. Quem não conhece alguém que foi/vai/ já está na Irlanda? Falar em intercâmbio já automaticamente remete ao país dos ruivinhos.

Eu abri o olho para Irlanda, para ser sincera, quando uma amiga veio para cá em 2013. Nunca tinha cogitado morar aqui, aliás, nem sabia o que tinha nessa Ilha. Na época, acho que moda ainda estava só começando… a partir daí comecei a ver muita gente (mas muita gente) vindo para cá e acabei me perguntando “o que raios tem na Irlanda que todo mundo tá indo para lá?” e a resposta veio rapidamente, após alguns cliques com o nosso melhor amigo: o Google. Foi então que descobri as “facilidades” da vida de um estudante por aqui, o fato de poder trabalhar legalmente atrai muitos olhos, imagina? Não precisar ter alguém te bancando do Brasil, muita gente “gritando” que tem emprego para dar e vender; aí os bichinhos lá no Brasil tudo se coçando por um pedacinho de terra verde. E é aí que começa o sonho, ou pesadelo de muita gente… 

Quando você decide fazer um intercâmbio (ou vir para morar em definitivo, como fizemos) é preciso muita coragem: largar tudo, emprego, familia, amigos, lar; não é para qualquer um. A simples esperança de chegar aqui e na primeira semana já ter resolvido a vida cega muita gente… tem muitos conterrâneos que, assim que descem do avião, tomam um choque de realidade: fudeu, e agora?

O que me incentivou a escrever esse post de hoje foi o que vi em grupos do Facebook essa semana: muita gente reclamando da Irlanda, no geral. Mas gente, porque tem tanta gente reclamando e muito mais gente vindo? A bendita de esperança de “comigo vai ser diferente, eu sou foda, eu sou determinado, eu não desisto”.

O que mais me incomodou foi ver gente falando “não venha, dá tempo de escolher outro país”. O nível de decepção é tão grande, mas tão grande que eu chego a me perguntar o quanto essas pessoas pesquisaram sobre o seu destino antes de vir; o quanto se preparam antes de vir; o quanto economizaram antes de vir. Decidir morar fora por um tempo não deve ser um ato de impulso, mas sim um ato muito bem pensado e planejado. A vida fora do Brasil pode ser maravilhosa, mas você tem que saber exatamente o que te espera ali do outro lado. A grama do vizinho é sempre mais verde, mas você sabe o que ele fez ou passou para ser assim?

Vejo muita gente se matando para pagar 300, 400 euros de aluguel por um quarto para dividir com 3, até 4 pessoas e sinto pena. Sinto mesmo. Se fosse para vir e me submeter a isso, eu não viria. Não julgo quem vive assim, mas eu não saí do conforto da minha casa para viver apertada e sem privacidade do outro lado do mundo. Antes de vir, Diego e eu já sabíamos o estilo de vida que queríamos levar aqui, já tínhamos consciência das dificuldades que o país iria nos presentear e decidimos nos preparar MESMO: deixamos de fazer muita coisa para economizar dinheiro, para juntar o máximo possível justamente para poder chegar aqui e ficar confortável. Nos planejamos e nos preparamos por 2 anos – 2 ANOS – com tudo milimetricamente planejado e executado e tem sido um sucesso até agora.

O desespero de querer chegar aqui logo pode acabar com o sonho de um ano produtivo e interessante. É preciso ter a consciência de que você é um estrangeiro na Ilha, e que empregos existem sim, mas nem todos são para você; e quando encontrar um em que se encaixe, saiba que tem mais 20 – ou mais – disputando a mesma vaga. Se seu inglês é básico, você NÃO vai conseguir emprego fácil e 2 semanas de curso NÃO vão te deixar fluente. Você vai demorar para arrumar uma casa, você vai demorar para arrumar um emprego, você vai demorar para se estabelecer. 

Não estou falando para não vir para Irlanda, muito pelo contrário! Eu quero que venham e vejam o quanto esse país é bonito, embora atrasado, com pessoas simpáticas, hospitaleiras e fascinantes, com lugares e vistas espetaculares. Mas eu quero que venham sabendo o que vocês vão enfrentar. Não peguem apenas 2 semanas de acomodação; não venham apenas com os 3 mil euros requisitados pela imigração; não sonhem que vão estar empregados na primeira semana. Venham preparados para o pior cenário e, o que vier de bom, será muito melhor e muito mais valorizado. 

Lembrem-se: a decepção é muito maior quando se cria muita expectativa. Esperem nada e se surpreendam com o que a Ilha pode oferecer se você souber apreciar…

Author

1.014 Comments

  1. O brasileiro é mesmo muito afobado e quem tem pressa come cru!
    Quem planeja com calma sempre estará um passo a frente, seja na Irlanda ou em qualquer lugar.

  2. Muitas verdades nesse texto. Não conheço a Irlanda mas já morei nos EUA e no Canadá e sei que a vida de estrangeiro não é tão simples como parece daqui, com essa onda de vou-largar-tudo-e-vou-embora. Confesso que tô apavorada mas não saio daqui sem ter tudo planejado. Como disseram, inclusive, aí em cima: plano A, B e C.
    Mas também percebo que as pessoas esforçadas acabam tendo boas experiências.
    Seus textos são ótimos, Nadine!
    Um bjo.

    • Nadine Jalaim Reply

      Planejamento é tudo quando se trata de intercâmbio!!!!

  3. Oi, Nadine! Achei seu post muito interessante porque morando aqui nesse tempo que eu já moro, já presenciei de tudo e já vi gente tanto endeusando a Irlanda como reclamando até não poder mais. Concordo que é preciso muito planejamento, muito cuidado, muita pesquisa. Me parece que as pessoas ficam meio desesperadas pra vir e acabam trocando os pés pelas mãos!

    Agora, fiquei intrigada com uma coisa: em que sentido você diz que a Irlanda é “atrasada”?

    • Nadine Jalaim Reply

      Realmente, as pessoas ficam numa fissura de vir logo e acabam esquecendo de coisas importantes nas pesquisas e acabam chegando aqui e quebrando a cara.

      Então, achei algumas coisinhas atrasadas com relação ao Brasil, como o sistema bancário ou o hospital. Nada com o qual eu já não havia visto nas pesquisas. Alguns processos bobos também achei que poderia ser melhor como o processo de visto, por exemplo. E mesmo algumas coisas que irlandês faz… Não é um ponto negativo, que vai me impedir de continuar morando linda e feliz aqui, são apenas detalhes…

  4. Nathalia Brito Reply

    Olá. Bacana ler o post… Eu e meu ex cunhado estamos chegando em 02/01/15 a Dublin. Estamos indo focados e com muita determinação e coragem. Não estamos indo achando que é a Disney, pelo contrário, estamos matriculados em um College… planejamos mais de 2 anos… tivemos o cuidado de não escolher apenas pelo valor mais barato assim nos possibilitando levar um dinheiro a mais. Queremos também, dentro de tudo que conquistarmos, ingressar em um curso superior (ele o primeiro e o meu terceiro).

    Sabemos que enfrentaremos a diferença cultural… idioma, enfim… mas estamos indo buscando extrair o máximo de experiência.

    • Nadine Jalaim Reply

      Oi Nathalia. Obrigada pelo comentário.
      Planejamento, dedicação e empenho são muito importantes nesse momento e com certeza vocês fizeram certinho.
      Toda sorte do mundo para vocês!!!!

  5. Muito legal esse choque de realidade! É engraçado como vez por outra é possível ver depoimentos de pessoas passando por determinadas situações que 5 minutos de Google antes de vir pra cá resolveria.
    Muita gente tem o hábito de querer imaginar que sua experiência de intercâmbio vai ser parecida ou igual a de um conhecido/amigo/blogger/whatever, o que também acaba sendo de uma inocência absurda. É claro que é possível ter pontos em comum, mas é por isso que chamamos de experiência: porque ela é única, e é afetada por inúmeros fatores anteriores e posteriores à decisão do intercâmbio.
    Se preparar (tendo MUITO bom senso) e evitar as altas expectativas são os conselhos mais sensatos na minha opinião.

    • Nadine Jalaim Reply

      É Lucas, é dificil de assistir a tantos comentários de experiencias ruins onde você vê claramente que se a pessoa tivesse tido mais cuidado durante o planejamento, tivesse feito mais pesquisas, tentado entender como funcionam de verdade as coisas por aqui, o intercambio teria sido bem diferente e bem sucedido.

  6. Pedro Alves Reply

    Ola, ótimo blog, achei ele agora e já li quase todas as postagens, continue assim.

    Chego na Irlanda ( CORK ) em Abril/2016, comecei o meu planejamento em Dezembro de 2015, assim como vocês, quase dois anos me organizando.
    Sei como está difícil ai, como está aqui, e como será difícil em qualquer lugar do mundo.
    Estou indo como estudante, após terminar o curso de inglês pretendo ingressar em uma faculdade na Irlanda, as empresas ai valorizam o diploma assim como é aqui no Brasil ?
    Vou chegar na Irlanda com 18 anos, estou indo pra tentar começar uma vida ai, e estes post mostrando como realmente está as coisas ajuda muito pra quem ainda não decidiu o destino do Intercâmbio.
    Obrigado, e continue com o blog, muito bom !

    • Nadine Jalaim Reply

      Oi Pedro, tudo bem? Desculpe a demora na resposta, mas aqui vai…
      Bom, primeiramente parabéns pelo planejamento e desejo toda sorte do mundo. Vai dar tudo certo!
      Bom, acho uma ideia muito válida tentar ingressar numa faculdade por aqui, após seu curso, mas tenha em mente que não é barato e muitas vezes demanda até tempo integral, ou seja, trabalho + faculdade pode ser complicado. Quero entender mais como funciona o ingresso nas faculdades aqui e prometo fazer um post dedicado, pois você não é a primeira pessoa que tem esse interesse.
      O diploma aqui é bem importante, mas não tanto quanto a pessoa. Já vi diversas pessoas falando o quanto os entrevistadores (seja em multinacionais ou no bar da esquina) valorizam a simpatia e educação da pessoa. Muitas vezes eles preferem pegar uma pessoa simpática e esforçada, sem diploma, do que pegar uma pessoa mal humorada com um belo cv. Então, acho que o balanço é o melhor caminho.
      No mais, prepare-se BEM antes de vir, saiba quais são seus objetivos e fixa sua atenção neles. Saibam que não é fácil, mas você se preparando para o que está por vir é o melhor remédio.
      Boa sorte!!!
      Abs,
      Nadine

  7. Vejo que esta situação de dividir casa está sendo comum. Sorte de quem vai em casal para conseguir dividir uma casa sozinhos.

    • Nadine Jalaim Reply

      Pior do que dividir casa… já vi anuncios para dividir cama!!!! Eu não sairia do Brasil para viver uma realidade dessa… jamais!

  8. Camila Borghesan Reply

    Parabéns pelo post, é com esse intuito que quero ir! Beijos

    • Nadine Jalaim Reply

      Obrigada Camila!!!!!!!
      Boa sorte e vejo você por aqui!

  9. Diego Schmidt Reply

    Gostei muito desse artigo! Concordo 100% com o texto!
    Eu estou aqui em Cork e vejo muita gente achando que aqui é a galinha dos ovos de ouros e que vai voltar para o Brasil rico, quantas pessoas que vejo que trouxeram só 3000 euros e nem o visto conseguiram tirar, tudo isso por que não pesquisou.
    Como você disse, um intercambio ou uma mudança de país tem que ser planejada, e ter plano A, B e C para situações adversas, se não a decepção será grande.

    • Nadine Jalaim Reply

      Pois é Diego, me chateia ver tanta gente se decepcionando com o intercâmbio sendo que eles mesmos são os culpados, em grande parte das vezes (não dá para generalizar).
      Um pouco mais de paciencia e dedicação já fazem a diferença.
      Obrigada pela visita e comentário.

      Nadine

Write A Comment