Category

Work and Study

Category

Qual será o próximo destino?

Como já falado no post anterior. vocês sabem que estamos de malas prontas e prontos para embarcar em mais uma de nossas jornadas. Bom, o que vocês ainda não sabem é o nosso destino mas esse, acredito eu, não será uma nenhuma surpresa.

Voltaremos à Cork, a cidade que nos acolheu no nosso ano de Irlanda e que nos conquistou com toda sua simplicidade. Já falei aqui no blog, lá no comecinho, o porque escolhemos a cidade como destino e, para ser sincera, os motivos realmente não mudaram. Aliás, aumentaram, até porque agora já conhecemos o que nos aguarda e conhecemos o caminho das pedras.

Dessa vez nossa viagem será um tanto diferente. Não vamos de navio para começar rs, apesar de ter sido nosso primeiro pensamento. Outra mudança será a minha entrada na Irlanda, que dessa vez não será como turista e sim como estudante. Vou embarcar nessa aventura estudantil graças nossa parceira Mundo 4U e viver e compartilhar a experiência de ser um estudante na cidade de Cork. Irei fazer todo o processo de visto de estudante, frequentar as aulas, procurar emprego e viver toda a rotina que vocês já sabem qual é mas ficam curiosos de saber em detalhes.

A escola escolhida é a ACET – Active Centre of English Training, uma das melhores escolas de Cork, que eu já conheci pessoalmente e fiquei encantada. Apesar de eu já falar inglês, acredito que a gente sempre tem que buscar evoluir e sei que posso aprender ainda mais. Se você tem duvidas sobre a escola ou quer conhecer mais não deixe de nos acompanhar!

Eu sei que um dos diferenciais desse blog e de todo o seu conteúdo é justamente a vida sem ser de estudante, e posso garantir que ainda teremos muitos posts relacionados a esse outro lado. Ao final do meu curso, dando tudo certo, aplicaremos novamente para o Stamp 4 e vamos compartilhar mais uma vez todo o processo e todos os detalhes atualizados, afinal, a ultima tentativa foi em 2015 e como todos sabem, a imigração na Irlanda muda as regras como nós trocamos de roupa. Veremos o que nos aguarda!

Embarcaremos dia 11/11 e estamos super ansiosos. Eu estava louca para compartilhar essa novidade com vocês, que tanto torceram por nós quando voltamos para o Brasil. Vamos fazer conexão na Holanda (se alguém tiver dicas do que fazer em 9 horas de conexão pela cidade estamos aceitando viu?).

Quero agradecer a todos que torceram por esse momento de alguma forma e principalmente à Jocélis da Mundo 4U pela parceria e ajuda em todo esse processo – se você quiser fazer um intercâmbio, essa é a agência!

Ah, e quero convidar a todos vocês que ainda não nos seguem nas redes sociais (Instagram e Facebook) para nos acompanhar nessa mais nova jornada.

Como tirar o STAMP 4 sem contrato de trabalho?

Mas como assim sem trabalho? É possível tirar o STAMP 4 sem contrato de trabalho, Nadine?

É sim possível tirar o STAMP 4 sem contrato de trabalho e aqui nesse post você vai conhecer os detalhes de como fazer isso. Já falamos bastante sobre o STAMP 4 nos vídeos aqui no blog e canal e algumas informações serão redundantes, porém, agora de forma escrita, muito mais visual para vocês.

Para quem está perdido ainda  e não sabe do que eu estou falando, o STAMP 4 é o tipo de visto que o familiar de cidadão europeu recebe para poder residir na Irlanda. Não é tão simples quanto parece nem tampouco rápido. É um processo burocrático, por muitas vezes demorado e que exige um certo esforço dos aplicantes.

Falando um pouquinho sobre o processo do STAMP 4

Para aplicar para este tipo de visto, o aplicante precisa estar casado com um cidadão europeu. A aplicação tem de ocorrer em terras irlandesas devido a necessidade de levantamento de toda uma documentação que você só consegue lá, para citar um exemplo, contrato de aluguel.

O envio dos documentos para imigração deve ser feito através de carta registrada e, ao que tudo indica, agora os aplicantes estão recebendo uma confirmação de recebimento. Uhul! Antes tarde do que nunca, haja visto que nos primórdios isso não acontecia. A imigração envia a aprovação do visto temporário depois de 8 a 12 semanas, em média. Você irá receber uma carta informando que seu visto temporário foi liberado e algumas vezes ainda solicitando algum documento adicional. Com a carta em mãos, você irá fazer o agendamento online para registrar-se na GARDA – lembrando que o registro online é feito em cidades onde essa tecnologia está disponível. No dia de comparecer à imigração, não se esqueça de levar a carta que você recebeu, passaporte dos dois, comprovante de residência e o cidadão europeu. 

O visto temporário tem duração de 6 meses inicialmente, mas a imigração tem aumentando esse prazo de validade nos últimos tempos devido a alta demanda por esse visto, o que tem gerado atrasos no processamento. Feito o registo, simplesmente aguardar o seu GNIB chegar (em Cork estava demorando 2 semanas) e pronto, você já pode viver tranquilamente – por tempo determinado – em terras verdes.

Tá, e como faço para conseguir meu STAMP 4 sem contrato de trabalho?

O primeiro passo é baixar o EU1 form e seguir o post já em posse do formulário para um melhor entendimento Já baixe, também o manual de preenchimento. O post é mais um complemento desse manual (lá vocês encontrarão o passo a passo do preenchimento então é bom perder um tempinho dando uma olhada nele, ok?)

Formulário em mãos, vamos direto para Section 3 – Current Activity of the EU citizen in the State – não vou passar sessão por sessão do formulário, se acharem realmente necessário deixem nos comentários que eu prometo que faço um manual aqui para vocês, mas o vídeo que fizemos sobre o assunto já sana muitas das possíveis dúvidas de vocês. Como tirar o STAMP 4 sem contrato de trabalho?

Na subsection 3.1 você deve selecionar uma das atividades listadas exercidas pelo cidadão europeu. No nosso caso, como estamos falando do cidadão sem contrato de trabalho, nos sobram as opções C) Study e E) Residing with sufficient resources. Essas são as duas opções que vocês irão focar, escolhendo apenas uma dependendo de qual for seu caso. Detalhe: quem vai decidir qual é a melhor opção é você mesmo, ok?

  • Opção C) Study
    Você irá selecionar essa opção se o cidadão europeu está cursando faculdade ou fazendo algum curso de inglês com pelo menos 6 meses de duração, além de ter uma quantia razoável para manter os dois no país.
  • Opção E) Residing with sufficient resources
    Nessa opção o cidadão europeu não se encaixa em nenhuma das anteriores e possui uma quantia razoável para manter os dois no país.

Na subsection a seguir, de acordo com a opção que selecionaram, vocês irão preencher os respectivos campos:

  • Se for Study, informar o nome da Escola ou Universidade, endereço, telefone e se possuem seguro saúde
    Como tirar o STAMP 4 sem contrato de trabalho?
  • Se for Sufficient Resources, vocês devem informar quais são seus fundos, valores e como vocês estão se mantendo na Irlanda, além de também informar se possuem seguro saúde.
    Como tirar o STAMP 4 sem contrato de trabalho?

Na Section 4 – Document Checklist é onde vocês vão encontrar a listagem de todos os documentos que precisarão providenciar antes de enviar para imigração. As duas primeiras partes são óbvias e não necessitam de explicação – comprovação de identidade e estado civil. Lembrando que a certidão de casamento deve ser traduzida juramentada. E ah, pode ser a brasileira ou a do país do qual o cidadão possui nacionalidade, de qualquer forma, tem de ser apresentada em inglês.

A comprovação de moradia é necessária para qualquer caso de aplicação e é comum em todas as opções, mas vou passar com mais atenção nessa parte porque ainda tem muita gente com dúvidas nesses quesitos.

Como tirar o STAMP 4 sem contrato de trabalho?

  • Se você aluga um imóvel, terá que apresentar:
    • Carta da imobiliária/landlord OU contrato de aluguel – no caso de aluguel do quarto, se seu nome não estiver no contrato, peça para o landlord ou pessoa responsável pelo contrato escrever uma carta comprovando que vocês moram no local
    • Carta do PRTBsolicite ao landlord assim que alugar a casa e no nome dos dois. Esse processo quem faz é o Landlord e você receberá a carta em sua casa, em caso de aluguel do quarto, solicite ao responsável pelo contrato
    • Contas no nome dos dois – pode ser conta de luz, água, telefone, internet, celular desde que tenha o nome dos dois (não necessariamente na mesma conta, pode ter o nome de um em uma e do outro em outra)
  • Se você é dono da propriedade:
    • Carta do financiamento OU da autoridade local OU do Conselho do Municipio
    • Escritura
    • Contas no nome dos dois – pode ser conta de luz, água, telefone, internet, celular desde que tenha o nome dos dois (não necessariamente na mesma conta, pode ter o nome de um em uma e do outro em outra)

Tranquilo até aqui? Fôlego que ainda tem mais…

Agora vamos falar sobre a documentação necessária para comprovação da atividade do cidadão europeu na Irlanda. Lembrando que estamos falando do caso do STAMP 4 sem contrato de trabalho, ok?Como tirar o STAMP 4 sem contrato de trabalho?

  • Se o cidadão europeu está estudando:
    • Carta da escola/faculdade comprovando a matrícula e informando as datas de inicio de término do curso;
    • Carta do seguro saúde privado irlandês comprovando a cobertura para os dois
      * Seguro viagem não é o mesmo que seguro saúde. Esse seguro saúde seria um “convênio” irlandês, que cobre consultas e alguns procedimentos. No caso, é necessário um seguro saúde para os dois (tanto EU quanto non-EU). Entre as opções, você pode analisar e cotar o Aviva, Laya Healthcare e o VHI.
    • Extratos bancários E/OU outra comprovação de renda que mostre que o cidadão europeu tem condições de manter os dois na Irlanda sem se tornar um peso para o estado.

Como tirar o STAMP 4 sem contrato de trabalho?

  • Se o cidadão europeu tem fundos suficientes para se manter:
    • Evidência dos fundos através de carta explicativa e extratos bancários
      * Sobre o valor, a imigração nunca abriu qual seria o valor ideal para aplicar por essa opção. Através de análises e estudos, concluímos que algo em torno de 10k a 15 euros, porém já aconteceu de aprovarem com 6k. Então, é loteria!
      ** Sobre a renda, mesmo após o envio da documentação, é bom vocês manterem um bom valor em conta pois pode acontecer de ter que comprovar essa renda novamente durante o processo
    • Carta do departamento do Seguro Social atestando que não existe nenhum pedido de ajuda financeira em nome do cidadão europeu
      * Essa carta só é gerada se o cidadão europeu tem PPS. Se não tiver não adianta nem pedir porque eles não fazem. O que deveria ser algo lógico – não tem PPS logo não tem ajuda social – é bem mais complicado. Se vocês forem aplicar por essa opção, o conselho é que o cidadão europeu já tenha PPS.
    • Carta do seguro saúde privado irlandês comprovando a cobertura para os dois
      * Seguro viagem não é o mesmo que seguro saúde. Esse seguro saúde seria um “convênio” irlandês, que cobre consultas e alguns procedimentos. No caso, é necessário um seguro saúde para os dois (tanto EU quanto non-EU). Entre as opções, você pode analisar e cotar o Aviva, Laya Healthcare e o VHI.

Com a documentação em mãos, basta enviar diretamente para o endereço informado no formulário e cruzar os dedos! Lembrando que, no caso de impossibilidade de enviar alguma documentação, é necessário escrever uma carta a mão explicando o motivo do não envio do documento.

Se houver alguma mudança – QUALQUER MUDANÇA seja de casa, de status, de marido/esposa rs INFORME PRONTAMENTE À IMIGRAÇÃO. Mandem a comprovação para o mesmo endereço informando o seu ApplicantID, nome completo e data de nascimento e eles farão a atualização do processo.

O post ficou longo mas acredito que vai ajudar a quem está começando essa jornada. Dúvidas sempre vão existir, quem conhece sabe que o processo é bem chato e interpretativo. E digo mais, se alguma coisa não ficou clara, por favor, entre em contato e a gente dá mais uma conversada sobre o assunto, ok?

Ufa… por hoje é só!

Conheça as opções de escolas de inglês em Cork

O objetivo principal de um intercambista é aprender o idioma do destino escolhido, certo? E, para isso, é necessário conhecer as opções de escolas disponíveis em cada lugar. E com esse pensamento hoje trouxemos esse post tão querido e tão esperado com as opções de escolas de inglês em Cork, na Irlanda. A intenção principal desse post é apresentar as escolas e um breve descritivo de cada, sem opiniões pessoais.

Lembrando que não temos parceria com nenhuma escola e fazemos aqui apenas uma análise inicial para você, interessado, conhecer e ter mais uma visão das escolas de inglês em Cork.

  • Cork English College
    Também conhecida como CEC, fica localizada bem no centro de Cork, com acesso super facilitado. A CEC busca montar turmas pequenas para as aulas e fazer um bom mix de nacionalidades, evitando ter mais de dois alunos do mesmo país na mesma sala de aula – óbvio que nem sempre isso será possível. A escola conta com laboratórios para dinamizar as aulas, além de wifi, bibilioteca, sala de leitura e convivência, tudo para oferecer o melhor ambiente para seus alunos praticarem o idioma. Além disso, é possível conferir nos paineis de entrada quais são as atividades extra-classe que acontecem semanalmente e aproveitar as oportunidades de interagir com professores e alunos e, de quebra, se divertir e conhecer mais dos lugares e da cultura irlandesa. Outro ponto a favor da escola é oferecer um programa online para o estudante que, uma vez tendo a matrícula efetivada, terá acesso desde o país de origem para iniciar seus estudos e verificar principais pontos de dificuldade. A CEC é considerada uma escola PREMIUM e isso significa um investimento alto para seu intercâmbio. Outro porém é a carga horária da escola, existindo apenas a opção de 20 horas semanais para o intercambista.
    NOTA: A CEC foi considerada uma das 10 melhores escolas de inglês do mundo, ou seja, o investimento é muito válido!
  • UCC 
    Sim, a Universidade de Cork oferece aulas de inglês, minha gente. Mas, o investimento é SUPER salgado. A não ser que você tenha uma bela grana guardada que dê para investir no curso e de quebra ainda se manter na Irlanda, criatura, posso ser tua amiga? Sem dúvidas a UCC é uma “escola” de qualidade inquestionável, mas é preciso avaliar os custos e seu bolso, logicamente. A campus da universidade fica a poucos minutos de caminhada do centro de Cork – leia Grand Parade * St Patricks * South Mall – ou seja, acesso tranquilo para quem for morar no centro e optar por essa escola. Assim como a CEC, a UCC também oferece laboratório interativos, biblioteca, WIFI e ainda um acesso ao Mardyke Arena Sports Complex. As turmas são compostas por um minimo de 6 e máximo de 15 estudantes e, se você escolher a UCC, é quase uma certeza que terá poucos companheiros brazucas contigo. Se a ideia é interagir com o máximo de estrageiros possiveis, acho que encontrou seu lugar, não é mesmo?
  • Griffith College
    A Griffith já é uma conhecida entre os brasileiros e a escolha certa de muitos deles. Com uma ampla estrutura física, a Griffith oferece espaço considerável para comportar seus alunos. Sobre as atividades extra-classe, a escola procura oferecer passeios para diferentes lugares da Irlanda e em especial, de Cork, com preços bem acessiveis para maior engajamento, assim como atividades sociais para uma maior imersão na cultura irlandesa. Os alunos também terão um material muito bom, oferecido pela escola – vale lembrar que, nesse caso, diferente de algumas escolas, a Griffith cede livros físicos para o estudante. Um ponto que pode incomodar – ou não – alguns brasileiros é justamente a presença marcante de conterrâneos na escola e nas classes. Como a procura por essa escola é grande, muitas vezes acaba sendo dificil de remanejar alunos e fazer um real mix de nacionalidades nas salas. Um detalhe – pra mim mega importante – é que é preciso de pernas boas para chegar à Griffith; apesar de ser no centro, existe uma possível subida trabalhosa para chegar até ela. Eu, preguiçosa que sou, levaria isso em conta.
  • ACET
    A ACET é uma excelente opção para quem está indo para Cork. Uma escola conceituada e de ambiente bem familiar, diretoria acessível e boa localização, a ACET é certeza de escolha certa. Assim como as escolas mencionadas – e as que ainda vão ser – a escola oferece diversos tipos de atividades extra-classe como passeios, cafés, cinema, aulas adicionais e sempre procurando construir uma interação entre os alunos. Devido ao investimento mais salgado – não tanto quando a CEC ou UCC – a ACET possui um número mais baixo de brasileiros em comparação com as escolas mais populares. As salas são compostas com no máximo 12 alunos, o que favorece o aprendizado e o alcance da relação professor-aluno. Assim como a CEC, a ACET também oferece apenas cursos com carga horária de 20 horas por semana. Outro ponto que pode fazer toda a diferença é o fato da ACET ser extremamente preocupada com seu aluno, prestando assistências desde o primeiro dia, nos assuntos relacionados a banco, visto, etc, tudo para fazer o aluno se sentir seguro durante a estadia.
  • Cork English World
    Uma das mais populares entre os brasileiros e mais conhecida como CEW, é escolha certa de um grande número de brasileiros por ter uma escola com um valor bem mais acessível que as outras. Apesar de ser uma escola pequena, a CEW consegue abraçar seus alunos, com uma diretoria muito dedicada e pronta para ajudar. Outro ponto muito favorável sobre essa escola é sua localização: muito central e basicamente em frente a um dos cartões postais de Cork, a Saint Finn Barre’s Cathedral. Garantir uma diversidade de nacionalidades também é dificil de CEW, mas a escola uma consulta online sobre como está a diversidade de nacionalidade real time e também compensa com diversos programas extra- classe, avaliações de niveis, programas de integração entre os alunos. A CEW, além dos programas de 20 horas semanais, também oferece pacote com 15 horas semanais, que acaba baixando o valor de investimento e é o carro chefe da escola.
  • Cork English Academy
    Conhecida como CEA, a escola tem uma estrutura muito parecida com a CEW, além de oferecer preços e serviços bem equivalentes. Localizada no centro de Cork – centro mesmo – a escola oferece aos alunos um bom espaço de estudos, com WIFI, biblioteca, máquinas de café e snacks e também laboratório para desenvolvimento do aluno. Falando em desenvolvimento, a CEA também prepara diversas atividades extra-classe como aulas de conversação durante a tarde, ou encontros em pubs a noite, além de sessões de cinema, passeios pela região entre outras coisas. O valor de investimento é um dos mais baratos, ou seja, o número de brasileiros bem alto – mas quem vai definir se esse é um ponto positivo ou negativo é você mesmo.

Agora de posse da lista de escolas de inglês em Cork, você pode analisar cada opção e fazer a melhor escolha. 

Se tem alguma informação relevante sobre as escolas, por favor, ajudem nossos leitores e compartilhem nos comentários!!! 🙂

Qual é a verdade sobre a área de TI na Irlanda?

Esse final de semana eu vi muitos posts nos grupos de Intercâmbio no Facebook sobre arrumar trabalho na área de TI na Irlanda. A opinião é geral: “vem que tá bacana, aqui tem muita vaga na área, tá todo mundo contratando, vem ser feliz!’. Mas… será que é assim mesmo?

As vezes eu me pergunto o quanto as pessoas que não trabalham na área TI efetivamente conhecem a área. Se você fala que trabalha com TI, o cara já cresce o olho e fala que você tá perdendo tempo, que deveria mandar currículo para todas as vagas que aparecem pois você vai se dar bem. Se tem passaporte europeu então, tá feito na vida! Melhor combinação: TI + passaporte europeu = tá rhyco!

A área de TI é MUITO grande. Tem inúmeras ramificações e profissões voltadas para a área, não significando que TI seja uma profissão. A divergência já começa por aí. Eu trabalho na área de TI; sou Analista de Qualidade de Software ou Quality Assurance Analyst. Não sei programar. Não sei mexer com redes. Sei muito pouco de Banco de Dados. Sei a teoria da Gerência de Projetos. Não dou suporte a hardware/software. Já conseguem exergar onde estou querendo chegar? Trabalhar na área de TI não é uma coisa geral; cada pedacinho tem uma qualificação diferente. Tem gente que conhece mais de 1, tem gente que mal conhece 1…

Agora, vamos ao ponto em que eu discordo da maioria das pessoas: “lá na Irlanda não precisa ter inglês bom pra conseguir um trabalho na área de TI, vai fundo”. Essa é a PIOR coisa que alguém pode dizer. Já recebi emails de pessoas me perguntando “Nadine, eu tenho inglês bem básico, mas tenho passaporte europeu e trabalho com TI; será que eu consigo emprego na área?” e eu respondo “Muito provavelmente não”. E a pessoa acha ruim porque fulano ou ciclano garantiu que a pessoa conseguiria sim, porque a Irlanda tá crescendo na área de tecnologia e bla bla bla bla. Você consegue imaginar um Gerente de Projeto que não consegue se comunicar decentemente ou um Help Desk que não consegue entender o problema do cliente ou que não consegue explicar como resolver o problema?

Gente, o que eu to querendo mostrar para vocês é que vagas existem sim. E muitas. Mas você pode ser o foda da sua área no Brasil. Se você for tentar alguma coisa na Irlanda, sem saber ao minimo de comunicar em inglês – saber pedir um lanche no McDonalds não faz de você um nativo, veja bem -,desculpa mas você será um analfabeto. E isso não é uma ofensa, é apenas um lembrete de que você precisa sim estudar e garantir a sua comunicação antes de começar a pensar em trabalhar na sua área. 

Vamos a um exemplo mais prático ainda. Eu morei 2 anos nos EUA. Fui Au Pair todo esse tempo, fiz cursos de inglês, fiquei craque. Isso há 10 anos atrás. Fui para a Irlanda em 2015 mas completamente insegura do meu inglês. Preferi esquentar um pouco antes de qualquer entrevista, afinal, fazia muito tempo que não usava o que havia aprendido. Não estava estudando, estava apenas fazendo bico de babá, mas usando meu inglês o dia inteiro e todo dia. Depois de um tempo arrumei uma entrevista, na minha área, nada mais nada menos que no Banco Central da Irlanda. Acredito que meu CV tenha chamado atenção, pois tenho bancos e Bolsa de Valores incluidos nele e isso pesa, não pesa? Não considero meu inglês fluente, ainda preciso de muito mais treinamento, mas coloco entre avançado e fluente. Já dei aulas para niveis básicos e uma das minhas alunas, inclusive, tirou um certificado de proeficiencia em ingles. Então, meu ingles não é ruim. Peguei nas mãos de Deus e fui fazer a bendita entrevista… e foi um fiasco! Por conta de tudo: ingles, nervosismo, pressão, afinal, era o Banco Central da Irlanda. Passei vergonha mas foi um tremendo aprendizado: é preciso aprender a andar antes de correr e ainda estava caindo nas tentativas de corrida.

Vamos agora, pegar o exemplo do meu marido. Cidadão português, mais de 10 anos de experiência na área e inglês intermediário. Fez uma entrevista para uma vaga FODA em Tralee, no condado de Kerry. A vaga tinha tudo para ser dele… se não fosse o inglês. Tinha conhecimento, poderia trabalhar mas não conseguia se comunicar da forma que a empresa necessitava.

Existem exceções? Com toda certeza! Já vi muita gente, especialmente programador, que conseguiu trabalho mesmo com um ingles intermediário. Tudo vai depender da vaga, da empresa e de como, lógico, você vai conseguir se vender. A verdade é que é sim possivel conseguir um trabalho na área, mas não é regra. Não vai sair do Brasil achando que você vai ser o fodão por lá por que não é bem assim que a coisa funciona. A área de TI é sim muito grande aqui no Brasil e lá fora, mas você precisa preencher os requisitos e o inglês, lá na Irlanda, é uma obrigação.

Trabalho em Cork

Antes de mais nada, gostaria de pedir desculpas pelo sumiço. Finalmente conseguimos mudar de casa, apesar da correria deu tudo certo. O que demorou mesmo foi a instalação da internet. Demorou, demorou, demorou mas ela chegou. E cá estamos! Aproveitem o post de hoje que em breve tem muito mais! 🙂

Bom, o post de hoje acredito que vai arrepiar cabelos alheios por aí já que é um assunto que recebo muitos pedidos para tratar por aqui: trabalho em Cork; já vou adiantando que o negócio não tá fácil pra ninguém….

Trabalho é sempre uma dor de cabeça pra pensar antes de vir pra cá (aliás, pra qualquer lugar qual desejamos imigrar, certo?). A pergunta “como vou me sustentar” sempre fica martelando e martelando na cabeça sendo, muitas vezes, o principal motivo de desistências de realizar intercâmbio – sim gente, isso acontece e muito. Insegurança nesse quesito é normal e é totalmente aceitável, afinal, você precisa comer, for God’s sake! (e comprar roupas, sapatos, bolsas, fazer viagens… e outros detalhes tipo, pagar contas sabe?)

Bom, indo direto ao assunto, a verdade é que trabalhar em Cork não está fácil. Não sei dizer em Dublin – vou aproveitar mais um pouco do tempo livre para tentar fazer alguns comparativos. Vale lembrar que eu ainda não estou procurando emprego efetivamente por conta do visto e o Diego ainda vai estudar antes de trabalhar, então me baseei em conversas com pessoas que já estão no pique da procura, já estão inseridos no momento, então dá pra ter alguma ideia.

Pra vocês, mocinhas, talvez seja mais fácil; a opção de au pair ainda é a mais comum e mais possível – seja live in ou live out. Se você quer saber um pouquinho mais sobre o assunto, dá uma olhadinha aqui (prometo fazer um post mais completo sobre Au Pair aqui na Irlanda – o mundo é bem diferente dos EUA). Outra opção, também, ainda é procurar vagas em restaurantes e bares que – pelo que me falaram – preferencialmente escolhem mulheres para o atendimento.

Já nossos queridos amigos homens sofrem um pouco mais quando o assunto é trabalho. Falei com pessoas que estão aqui já há algum tempo e que não encontraram nada e estão preocupados. Mas também tem gente que começou no primeiro mês. Cada caso é um caso, não tem como prever. Muito também depende de conexões: Q.I. aqui é o que há quando se trata de trabalho.

Encontrar um trabalho em sua área de atuação não é impossivel – brasileiro tem muita visibilidade principalmente se for na área é T.I. O que dificulta a procura de emprego – se você for estudante – é a carga horária. Mesmo em alguns sub-empregos, o empregador normalmente busca pessoas para trabalhar full-time, o que acaba por tirar muitas oportunidades dos estudantes que precisam ir para escola garantir o visto.

Tem alguns sites que vocês podem pesquisar mesmo antes de vir- Irish Jobs, Jobs IE, Monster, Gumtree (esse tem bastante vaga informal)eu fiz uma entrevista por telefone uma vez para uma vaga na área de T.I. quando eu ainda estava no Brasil; a empresa estava inclusive disposta a pagar o visto de trabalho. Infelizmente não deu certo pelo tempo que ainda ia demorar para eu ter tudo pronto, então, dessa vez acabou passando. É possivel encontrar alguns sub-empregos na internet mesmo, mas é muito mais fácil pegar para andar no centro e prestar atenção nos lugares – eles sempre colocam avisos de vagas nas vitrines.

E, por fim, uma dica MUITO IMPORTANTE: ATUALIZEM O LINKEDIN. Muitas empresas (e quando eu falo muitas, são MUITAS mesmo!!!!) valorizam a rede social, entram em contato através dela e postam muitas vagas – vale a pena usar e abusar dessa ferramenta.

Galera, por hoje é só. Esse foi apenas um overview de como está o mercado de trabalho aqui em Cork. Com o tempo eu vou me inteirando mais sobre o assunto e trazendo novidades e atualizações para vocês. E, já sabem, nosso canal de comunicação está sempre aberto para auxiliar vocês, seja comentários ou email através do Contato. Queremos ouvi-los!!!

Até a Próxima Curva!