Category

Viagens

Category

Nevasca em Cork: sonho ou pesadelo?

Se vocês me acompanham no Instagram (se não, tá esperando o que? Clica aqui!) sabem que Cork parou com a chegada da neve na semana passada e foi lindo. Sim, foi lindo. O verde se tornou branco, crianças correndo felizes, adultos voltando a ser crianças e a vida ficou mágica do dia para noite.

Nevasca em Cork

Nevasca em Cork

Não vou entrar em termos técnicos nem nada, mas o fato é que é totalmente incomum nevar na Irlanda, ainda mais na proporção em que foi vista. O que causou essa loucura no clima foi o fenômeno conhecido como The Beast from the East, um vórtice polar que trouxe temperaturas negativas direto da região da Sibéria. Ao mesmo tempo, uma tempestade nomeada de Emma veio de encontro e… o resto é história!

E por falar em história, eu jamais imaginei viver esse momento histórico! Histórico pelo menos para mim rs. Não foi a primeira vez que eu vi neve – morei nos EUA por 2 anos – mas a quantidade de neve que eu vi aqui foi impressionante!

Quando eu vi a previsão do tempo na semana retrasada eu dei de ombros e ri, pensei comigo mesma “ah, vai cair meia duzia de floquinhos como da ultima vez, há umas semanas atrás”. Dias depois notei um alarde anormal, pessoas correndo para os mercados, fazendo estoque de comida e eu pensei que o mundo ia acabar e eu não tinha sido avisada. Avisos foram emitidos e as pessoas estavam se preparando para o pior. Mal sabia eu…

NEVASCA EM CORK: SONHO!

Quando ela finalmente chegou eu fiquei encantada com a vista e ela transformou completamente o visual do meu bairro. A região aqui é alta e os morros são cobertos por um cobertor de grama verde que é inacreditável. Ilha Esmeralda é apelido!

O verde ficou branco, os telhados das casas cobertos de neve, árvores com seus galhos cheios, bolas de neve, bonecos de neve, frio… tudo o que eu realmente não esperava ver. O primeiro dia foi de um encantamento inexplicável, como se fosse a primeira vez.

Nevasca em Cork Nevasca em Cork

Sair na rua foi como sair em um dia de verão: tinha tanta gente na rua, feliz, surpreendidos com a beleza e diversão, cachorros, gatos, crianças… era um misto de alegria com comoção e foi contagiante. A gente saía e não queria voltar para casa: a energia era algo palpável!

NEVASCA EM CORK: PESADELO!

Ver as imagens certamente arranca sorrisos de satisfação com toda beleza. A neve transforma um lugar como num passe de mágica!  Maaas, o buraco é um pouquinho mais embaixo…

A neve me deixou presa em casa por 5 dias. Não moro no centro da cidade, meu bairro (Rochestown) fica a uns 30 min de distância de ônibus. A região é alta, em cima de morros, ou seja, num momento como esse ficamos sem ônibus e totalmente ilhados o tempo inteiro – saíamos para andar pelo bairro, apreciar a vista e voltava para casa.

Como já falei, a Irlanda não recebe essa quantidade de neve regularmente o que deixa o país vulnerável e despreparado. Ainda mais em se tratando do interior. Cork é a segunda maior cidade da Irlanda, mas ainda assim é pequena e é interior. Não tem infraestrutura para receber uma loucura de clima como essa. A cidade parou completamente. Mercados, bares, lojas, transporte público.

Hoje, segunda feira, vai ser o primeiro dia que vou poder sair, pegar ônibus e voltar a rotina. Tesco me espera! A neve é linda, mas pode ser extremamente chata!

Nevasca em Cork

Não sei se veremos esse fenômeno novamente tão cedo, mas o fato é que ainda vai render muitas fotos nas minhas redes sociais. Porque não importa o quão revoltante é ficar ilhada por conta da neve, ela sempre consegue transformar a raiva em alegria com toda sua brancura.

Nevasca em Cork Nevasca em Cork Nevasca em Cork

Nevasca em Cork Nevasca em Cork Nevasca em Cork Nevasca em Cork

Eu não consegui ver o centro de Cork pessoalmente mas o Geraldo (segue ele no insta!) contribuiu com esse post com as fotos maravilhosas que ele tirou lá da cidade! Cork ficou irreconhecível!

Nevasca em Cork Nevasca em Cork Nevasca em Cork Nevasca em Cork Nevasca em Cork Nevasca em Cork Nevasca em Cork Nevasca em Cork

 

Uma experiência inesquecível no Oceanário de Lisboa

O Oceanário de Lisboa foi inaugurado em 1998 e, para quem pensa que é só mais um aquário em uma das capitais turísticas mundo afora está muitíssimo enganado. O Oceanário de Lisboa promove uma verdadeira viagem ao fundo do mar e conquista até mesmo aqueles que não são fãs do mar (ou das criaturas marinhas).

A experiência é, no mínimo emocionante. O visitante começa o passeio através de um caminho no meio de “montanhas”, por assim dizer, já podendo visualizar um pouco da vida marinha de superfície. A visita é divida entre superfície e fundo do mar e em ambos os casos é como se você realmente estivesse no habitat natural das criaturinhas que estão ali. Oceanário de Lisboa

O visitante poderá ver uma gama muito grande e diversificada de animais, desde aves, passando pelos anfíbios, peixes e até as mais estranhas criaturas que só é possível encontrar no fundo do mar. Essa diversidade ainda inclui muitos tipos de plantas aquáticas; seja de superfície ou das profundezas. O visitante vai ficando mais e mais encantado durante o desenrolar do passeio. É incrível poder ver e conhecer tamanha variedade de criaturas que você nem sabia que existia!

Oceanário de Lisboa

Oceanário de Lisboa

O passeio é um prato cheio para crianças. O espaço é bem dinâmico e apresenta diversas curiosidades que vão mexer com a cabeça dos pequenos. Como já falei antes, esse definitivamente não é um aquário qualquer.

O valor é salgadinho, mas vale cada centavo gasto! Lembrando que os ingressos podem ser comprados também pela internet se você poupar um tempinho e chegar com o passeio planejado.

Oceanário de Lisboa

O Oceanário de Lisboa é um passeio incrível e uma experiência fora do comum e deve ser uma parada obrigatória para quem está de passagem por Lisboa – ou um ótimo passeio de final de semana para quem mora na cidade. (SONHO!)

Oceanário de Lisboa

O Oceanário de Lisboa está situado na Doca dos Olivais, no Parque das Nações e está aberto diariamente das 10h as 19h, sendo o último visitante admitido as 18. A partir do dia 25 de Março começam a operar no horário de verão, das 10h as 20h, sendo a última admissão as 19h.

Agora deixo vocês com mais algumas fotos do local para convencê-los de que realmente vale a pena!

Oceanário de Lisboa Oceanário de Lisboa Oceanário de Lisboa Oceanário de Lisboa Oceanário de Lisboa

 


PARCEIROS DO PRÓXIMA CURVA

Planejando sua viagem para Lisboa? Utilize nossa parceria com o Booking.com – o blog recebe uma comissão mas você não paga nada a mais com isso. 

Conexão longa em Amsterdam – dá tempo de curtir a cidade?

Eu adoro viajar de KLM! Foi a primeira cia aérea que experimentei para Europa e desde então, sempre faço questão de dar prioridade, até mesmo quando os preços são um pouquinho mais altos. Devo confessar que isso se deve ao meu medo de voar e me sinto segura voando com uma cia aérea que já conheço; me transfere uma confiança maior.

Pois bem, a KLM é uma empresa holandesa e, portanto, tem o seu hub instalado em Amsterdam, na Holanda. E qual é vantagem disso? Você pode pegar um vôo com conexão longa em Amsterdam, aproveitar um tempinho na cidade e então, seguir viagem para seu destino final.

O aeroporto de Schipol recebe voos de diversos países e também é ponto de partida para diversos mais, então é possível dar uma combinada em seus dias e horários de viagem e programar uma conexão longa em Amsterdam, aproveitando para conhecer um pouquinho da cidade.

A nossa conexão foi de 9 horas, o que dá pra aproveitar um bom bocado. Acabamos perdendo um pouco de tempo na ida pois eu quis falar com a família ainda no aeroporto – dica: wifi do aeroporto é FANTÁSTICA; funciona perfeitamente bem e é de graça! Consegui fazer uma perfeita chamada de vídeo sem interrupção alguma.

SAÍDA DO AVIÃO E IMIGRAÇÃO

Se você quer aproveitar uma conexão longa em Amsterdam, deve se atentar logo na saída do avião. Você deve seguir para o setor de bagagens/saída/imigração. Não vá para o setor de transfers!

Já no setor de imigração, existem duas filas: para cidadãos europeus e os não-europeus. A fila de não europeu estava enorme, como era de se esperar, então segui para a fila de europeu com o Diego – que estava com o passaporte português dele. Perguntei para o assistente que estava na fila e a resposta foi positiva, então seguimos em frente. Acabamos nos dando mal nessa escolha porque o atendimento demorou horrores! Foi bem uns 40 minutos de espera, mesmo a fila estando bem menor do que a do não europeu.

Chegando a nossa vez, entreguei os dois passaportes juntos e o agente, muito simpático, perguntou o que iríamos fazer. Respondi que gostaria muito de aproveitar a nossa longa conexão em Amsterdam e entreguei a passagem para Cork. Ele riu, deu instruções de horário em que deveríamos voltar e carimbou meu passaporte.

Acredito que mesmo que eu não estivesse com o Diego, não teria problemas mas é sempre bom frisar que a imigração européia costuma pedir seguro de viagem e comprovante de dinheiro, então é bom manter esses documentos fáceis para o caso de serem pedidos.

GUARDANDO A BAGAGEM

O aeroporto de Schipol é enorme e você deve ter um tempinho extra para entender os caminhos. A nossa primeira parada foi no locker do aeroporto para deixar as mochilas. O locker fica nos setores de “Arrivals” 1 e 2 – mas você pode seguir os indicadores de Baggage Lockers para chegar. Os lockers funcionam 24h por dia e os valores variam de acordo com o tamanho, lembrando que o pagamento deve ser feito com cartão de crédito ou débito:

Small 43x34x80cm: € 6
Medium 58x34x80cm: € 7
Medium plus 58x50x80cm: € 8
Large 90x51x80cm: € 9.50
Extra large 120x50x80cm: € 11.50

PASSEANDO POR AMSTERDAM

A estação de trem Schipol Airport é basicamente dentro do aeroporto. Você consegue comprar a passagem no próprio saguão do aeroporto. Escolhemos um bilhete ida e volta para evitar preocupações na volta. O valor de cada um foi 8.40, mais 1 euro no final por conta do pagamento com cartão.

O trem não demorou muito para chegar e logo embarcamos. Ah, um detalhe que vale mencionar: os bancos vermelhos são para primeira classe. Note que nosso bilhete marca Classe 2, isso significa sentar nos bancos azuis do vagão. Não demorou muito, cerca de 20 minutos, e já estávamos na cidade.

conexão longa em Amsterdam

A estação que você deve descer é a Amsterdam Centraal, que fica exatamente no centro, no coração da cidade e que te dará acesso aos principais pontos da cidade. Devo falar que não fizemos um roteiro especifico, muito menos saímos correndo para conhecer a Casa Anne Frank ou o letreiro de Amsterdam.

conexão longa em Amsterdam

Eu odeio fazer as coisas correndo e, devido ao pouco tempo – e a chuva – decidimos apenas passear sem rumo pelas ruelas de Amsterdam. Passeamos pelos canais, aproveitamos muito para tentar relaxar depois da longa viagem e focar no que ainda estava por vir. Conhecemos pouca coisa da cidade, é fato, mas o que mais valeu a pena foi justamente poder caminhar sem rumo, sem pressa e sem compromisso por essa cidade linda. A nossa conexão longa em Amsterdam serviu justamente para nos fazer querer voltar à cidade o mais rápido possível!

conexão longa em Amsterdam

Agora, se você é daqueles que não gosta de perder uma oportunidade e um minuto do tempo, dependendo do tempo da sua conexão, é possível selecionar alguns lugares da cidade que você gostaria de conhecer e fazer a correria. Até pensamos em embarcar naqueles ônibus hop on – hop off mas acabamos deixando para a próxima, mas ainda acho que é uma ótima opção para esse curto período de visita.

Outra dica importante para você que quer tirar aquele foto no letreiro de Amsterdam: do lado de fora do aeroporto existe uma placa idêntica e bem menos visitada, o que vai facilitar a sua foto perfeita 😉

Lembre-se de manter um bom tempo livre para a volta. Contando com o trajeto até a estação, chegada ao aeroporto, coleta da bagagem e encontrar o portão de embarque, passar pelo raio x… Todo esse processo leva um bom tempo e é sensato evitar chegar muito em cima do seu horário de embarque. O agente da imigração nos aconselhou a chegar com pelo menos 2 horas de antecedência. Lembre-se que o aeroporto é gigante e dependendo do seu portão de embarque, a caminhada pode ser longa!

Conexão longa em Amsterdam

Conexão longa em Amsterdam

Conexão longa em Amsterdam

5 praias para curtir o verão em Cork

O verão em Cork já deu as caras e as temperaturas estão surpreendendo, não é mesmo? Muitos braços e pernas de fora e até protetor solar se faz necessário e uma coisa é fato: qual o melhor lugar para aproveitar o tão aguardado sol de verão em Cork senão as belíssimas praias da região?

separa a roupa de praia, o protetor solar e o óculos de sol e venha conferir a seleção de belas praias que preparamos especialmente para você aproveitar seu verão em Cork!

Myrtleville e Fountainstown

Verão em Cork

Essas duas belezas você pode combinar em uma só visita. São super acessíveis de ônibus, basta pegar a linha 220A. Ou, se quiser ir de carro, são cerca de 30 min de distância desde o centro de Cork até lá. Em Fountainstown existe um estacionamento grátis bem em frente a praia. Recomendo parar por ali e seguir a pé, se interessar, até Myrtleville. É uma bela subida, mas compensa. Eu já falei sobre essas duas praias nesse post aqui.

Garrettstown Beach

Verão em Cork
Foto retirada do site Travel Ireland

A praia fica bem próxima a Kinsale e é muito conhecida entre os surfistas da região. E não se preocupe se você não sabe surfar: existe uma escola de surf que oferece aulas e aluguel de equipamentos para quem tem interesse no esporte. O carro é o meio mais recomendado para chegar ao local, mas você pode pegar a linha 226 de ônibus para chegar na praia, porém esta funciona apenas no verão e em horários específicos. Uma vez em Garrettstown, não se esqueça de perguntar aos locais sobre a Cliff walk que existe por ali, a vista vale muito a pena.

Garryvoe Beach

Verão em Cork
Foto retirada do site The Beach Guide

Praia muito movimentada com o tempo bom, mas com muito espaço e atrativos para todos os gostos e idades. Muitos lugares para estacionar, além de ser acessível com carrinhos de bebê e cadeirantes. Além da praia, a diversão fica completa com um playground para os pequenos e alguns food trucks. Ballycotton – que eu já falei aqui também – fica bem pertinho dessa praia e com o tempo aberto, é possível ver a ilha de Ballycotton e seu icônico farol. Recomendo ir de carro, porém você consegue chegar ao local utilizando a linha de ônibus 240, a partir de Cork.

Youghal

Verão em Cork
Foto retirada do site Youghal.ie

Por ser uma cidade costeira, Youghal oferece não apenas uma mas 4 praias muitos conhecidas e visitadas pelos moradores de Cork. Começando pela praia localizada no centro da cidade, bem próxima às atrações turísticas do local, está a The Mall Beach. Pequena e muito movimentada, sendo necessário chegar cedo para conseguir um pedaço de areia durante o verão.
Já a Front Strand e a Claycastle são praia grandes, localizadas uma em seguida da outra e ainda próximas do centro da cidade, acessíveis a pé. Por serem maiores, são mais espaçosas ou seja, sem brigas por um pedaço de chão.
Continuando a caminhada você chega a Redbarn Beach, a menos movimentada das 4. Se quer sossego, Redbarn is just the place for you. E, para finalizar seu passeio com chave de ouro, você pode aproveitar uma refeição diretamente do The Quality Hotel, localizado bem próximo dali. Para chegar à cidade, basta pegar a linha 40 ou 260 direto de Cork.

Inchydoney

Verão em Cork
Foto retirada do site Irish Examiner

A pequena Ilha de Inchydoney, na região de Clonakilty, abriga bela praia de Inchydoney, eleita a preferida dos turistas em 2016. Lugar para curtir o mar, a areia e ainda incluir um piquenique, já que existem algumas mesas especificas para este fim em frente à praia.

Quer poder curtir um verão em Cork também? Aproveite agora a promoção exclusiva da Mundo4U para nossos leitores e solicite um orçamento.

TOP5 – Minhas cidades favoritas no mundo

Viajar é a uma das minhas maiores paixões e conhecer o mundo é meu ideal de vida. Aqui no blog vocês encontram diversas dicas de intercâmbio, viagens e passeios, que são apresentados de forma extremamente pessoal e convidativa. Contudo, eu nunca compartilhei quais foram os lugares que eu mais gostei de visitar – até hoje. A lista de lugares visitados ainda é pequena mas vai aumentando e, consequentemente, o meu top 5 pode sofrer alteração sem aviso prévio.

5 – São Paulo

cidades favoritas

A selva de pedra é também a cidade em que nasci e cresci. A minha relação com São Paulo é um misto de amor e ódio: em questão se segundos o amor vira ódio e vice-versa. Eu adoro a agitação paulistana, porém é uma das coisas que mais me incomodam, justamente por não ter fim. É uma constante e você não tem sossego. A cidade oferece milhares de opções de lazer, restaurante, cultura. E justamente por essa oferta, a procura é grande e, sendo uma das cidade mais populosas do mundo, dá para imaginar como é ir num parque em um sábado ensolarado não é mesmo? As facilidades que São Paulo tem para oferecer acabam dificultadas pela quantidade de gente. O trânsito caótico afasta as pessoas das ruas, assim como a violência e a insegurança. Mas São Paulo é linda, do jeito dela. Caminhar pelas ruas do centro é um convite para conhecer a história dessa metrópole que de sem graça não tem nada.

4 – Chicago

cidades favoritas

Ou mini New York como eu gosto de chamar. Apesar do pouco tempo que fiquei por lá, a cidade me conquistou e foi por completo. Seja pelos altos edifícios, pela vista da Sears Tower, pelo azul do Lago Michigan ou mesmo pela famosa pizza Chicago Style, a cidade marcou e foi uma das melhores que visitei. Embora tenha feito meu turismo por lá em pleno inverno, o clima não atrapalhou em nada. Muito pelo contrário! O charme da cidade branquinha de neve e o Lago congelado foram o ponto alto da visita. Eu amei cada pedacinho e um dos meus projetos de vida é voltar para lá. E por mais tempo para explorar muito mais desse lugar!

3 – Lisboa

cidades favoritas

Escolher as três primeiras foi fácil. Difícil foi saber em que ordem coloca-las. Lisboa foi uma grata surpresa. Nunca esteve no topo da minha lista de destinos e acabei indo pra lá num momento bem especifico da minha vida. E, talvez por não ter expectativa a minha visão da cidade foi muito melhor do que eu poderia esperar. Comida boa, shopping bons, lugares deliciosos para visitar e, o principal, pastel de Belém. Como não amar? A visão que tenho de Lisboa é uma São Paulo na medida certa. De tamanho, de pessoas, de opções. O meu turismo por lá deu muito certo, tudo funcionou muito bem e eu simplesmente poderia morar por lá o resto da vida.

2 – Washington DC

cidades favoritas

A capital norte americana foi minha casa por 2 anos. Bom, não exatamente a capital, mas a região. Quando fechei meu primeiro intercâmbio, meu sonho era ir pra NY ou Califórnia – #quemnunca – mas o destino quis que eu fosse ser vizinha de George Bush, o presidente na época. E ele não poderia ter sido melhor comigo! Conhecer e poder chamar DC de casa foi uma enorme honra para mim. A cidade oferece tanta coisa de valor para o turista: monumentos, parques, restaurantes, museus e muita, mas muita história. Para quem gosta de conhecer e entender a história de modo geral, DC é um prato cheio.

1 – Paris

cidades favoritas

A cidade Luz é também o meu sonho de moradia. Eu quero morar em Paris. Quero ter o prazer de chamar Paris de casa. Quero ser Parisiense por toda a minha vida! Meu sonho desde criança foi conhecer a capital francesa e a minha experiência foi a melhor de todas. Lembro até hoje quando surgiu a ideia: eu estava em pé em cima da minha cama, arrumando, chacoalhando o lençol e o Diego estava no chão, arrumando alguma coisa. Estávamos conversando sobre viagens e ele vira e fala: amor, porque não vamos para Paris? OI? Ele estava sério, propondo de verdade e eu estava atônita com a possibilidade de realizar o sonho número 1 da minha lista. E depois de muitos beijos e abraços, muito planejamento e muita ansiedade, chegamos na França, cansados mas extremamente felizes! Conhecer Paris foi o ponto alto da minha vida. Subir na Torre Eiffel foi um marco e eu poderia morrer naquele momento; eu morreria feliz. Paris é outro mundo, é outra história, é outro patamar. Sou apaixonada por aquela cidade, pelo ar, pela simplicidade que ao mesmo tempo é glamourosa. É até difícil de explicar mas é assim que Paris me deixa: sem palavras.

Depois do meu top 5, quero agora conhecer o seu: quais são suas cidades favoritas?

Descubra Córdoba, seu próximo destino na Argentina

Muito se engana que pensa que a Argentina se resume a Buenos Aires. Em 2014 carreguei minha mãe para a primeira viagem para fora do Brasil e escolhemos um destino pouco conhecido na Argentina.

Localizada ao norte da Argentina, a pouco mais de 700 km de distância de Buenos Aires, Córdoba é a segunda maior cidade da Argentina e muito conhecida pelos estudantes, afinal, abriga 7 universidades entre elas a Universidade de Córdoba, considerada uma das melhores do país. Então já vale mencionar que sim, a cidade é repleta de estudantes mas é muito tranquila para visitar.

Localizada ao norte da Argentina, a pouco mais de 700 km de distância de Buenos Aires,

Para quem não curte muito avião como eu – sim, morro de medo de avião mas continuo firme e forte nas minhas viagens – Córdoba é aquele destino perfeito para um feriado prolongado. Voamos de GOL e em menos de 3 horas já estávamos no aeroporto de Córdoba. Chegamos de madrugada, aeroporto vazio, vazio. Como decidimos trocar os pesos por lá, fomos só com reais para trocar e a casa de câmbio do aeroporto não fazia transação de real para peso (oi?). Consegui tirar uns trocados para o táxi em um caixa eletrônico e fomos nós para o hotel.

ONDE SE HOSPEDAR EM CÓRDOBA

Dê preferência à região central da cidade. Nos hospedamos no Merit Gran Hotel Victoria, que tem uma ÓTIMA localização, bem central e muito próximo às principais atrações da cidade, incluindo comércio e restaurantes. Pudemos andar para todos os lados, sem depender em nada de transporte público.

A recepção é 24 horas e fomos muito bem recepcionadas, mesmo chegando de madrugada por lá. O hotel é muito bonito e limpo. Os quartos são simples, mas confortáveis. O único porém aqui fica por conta do banheiro. MUITO pequeno, mas nada que tire o gosto de se hospedar por ali.

O café da manhã, incluso na diária, é simples, mas tem um pouco de tudo: frutas, pães, bolachas, sucos, chá, iogurtes e cereais. Ah, e tudo muito gostoso!



Booking.com

O QUE VISITAR EM CÓRDOBA

Córdoba é uma cidade muito plana, ou seja, os passeios a pé são uma obrigação. Como fomos na primavera, o tempo estava muito agradável, céu azul e brisas leves para acompanhar nossas caminhadas. Não fiz um roteiro fechado para a nossa visita, apenas listei as principais atrações e aos poucos fomos explorando e descobrindo os cantinhos da cidade.

Plaza San Martin/Catedral de Córdoba

Córdoba, Argentina

O hotel fica muito próximo da praça principal da cidade, então estávamos sempre começando ou terminando nosso dia por ali. Além do monumento à José San Martín, é por ali que fica a o edifício El Cabildo e a Catedral de Córdoba.

Manzana Jesuítica

Córdoba, Argentina

A poucos minutos da praça, encontramos a Manzana Jesuítica, local que preserva e expõe a história dos primeiros Jesuítas na América do Sul. Nesse pedaço é possível visitar e conhecer muito da história da cidade parando na Igreja da Companhia de Jesus, a Capilla Doméstica, o Museu Histórico da Universidade e o Colégio Nacional de Monserrat.

Paseo El Buen Pastor

Córdoba, Argentina

Um badalado ponto turístico no coração de Córdoba, sendo também um ponto de encontro de jovens e turistas. Conta com lojas e restaurantes, além de uma galeria que exibe peças e obras dos artistas locais. E é lá que você pode ver o show de águas dançantes diariamente. Imperdível!

Museu de Belas Artes Evita

Córdoba, Argentina

Se por fora sua arquitetura arranca suspiros, por dentro os salões abraçam o visitante de tal forma que é impossível não se sentir membro da realeza por lá. O museu e seus jardins são lindos e valem a visita, mas confesso achei as exposições bem fracas por lá.

Córdoba, Argentina

Córdoba, Argentina

Igreja de Los Capuchinos

Córdoba, Argentina

Deslumbrante catedral neogótica, localizada bem próxima do Paseo El Buen Pastor. Visitamos o interior da igreja e ficamos impressionadas com a sua beleza. Mas o que nos chamou atenção naquele momento era o casamento que estava acontecendo. Os noivos estavam lindos, quase não tinha convidados e pudemos apreciar, lá do fundo, a união de um casal apaixonado! <3

Parque Sarmiento/Paseo Bicentenário

Córdoba, Argentina

Nos limites do Parque Sarmiento é possível avistar uma enorme quantidade de anéis grandes e coloridos dispostos ao redor de uma praça. Esse é o Paseo Bicentenário e os anéis representam grandes marcos da história do país. Mais à frente, adentramos o Parque Sarmiento, um ótimo lugar para dar aquela descansada, sentar num dos bancos, apreciar a vista e vida local. Lá você encontra lagos, museus, zoológico. Enche uma tarde inteira de passeio!

Igrejas

Córdoba, Argentina

Para quem gosta de visitar igrejas, Córdoba é um ótimo lugar. A cidade abriga uma quantidade enorme de igrejas. Com fachadas simples e por vezes até escondidas, mas é a parte de dentro que chama atenção: muitas figuras, adornos e pinturas.

Passeio a noite

Córdoba, Argentina

Muitas vezes ficamos cansados de andar um dia inteiro em um destino e esquecemos de como aproveitar a noite nas viagens. Córdoba é definitivamente um lugar para fazer um passeio a noite. Nos sentimos muito seguras e ficamos deslumbradas com a beleza das fachadas dos prédios, com iluminação muito colorida. Certamente um must do se você tiver planejando a sua estadia por lá.

Córdoba, Argentina

Eu gostei muito da cidade e a região ainda oferece muitas outras opções para serem exploradas. Vou deixar essa parte para outro post mas já adianto que vale muito a pena começar a planejar seu próximo feriado 😉

O que fazer em Peniche? Dica de roteiro para 2 dias na cidade

Quando decidimos fazer a nossa road trip por Portugal, antes de voltarmos ao Brasil, já tínhamos as principais cidades de destino decidias: Porto, Coimbra e Alvarelhos, esta última sendo a cidade natal do meu sogro. Como ainda tinha um espaço sobrando no roteiro, estava procurando uma praia pelo caminho e acabei, através do Google Maps, descobrindo a cidade de Peniche, cidadezinha a pouco mais de 1 hora de carro de distância de Lisboa. E foi aí que o encanto começou…

Durante o planejamento, nós optamos por ir direto a Porto e voltar parando nos lugares – esses detalhes eu colocarei em um outro post – e o destino final antes de voltarmos a Lisboa seria a pequena Peniche onde, a princípio, ficaríamos apenas 1 noite – não cometam esse erro, fiquem pelo menos 2 noites e aproveitem dois dias inteiros por lá.

Mas o que fazer em Peniche? A cidade é bem pequena e litorânea, tem algumas belas praias para visitar e o ideal seria tirar esse primeiro dia para conhecer a cidade. Na marina, que foi onde ficamos, tem vários restaurantes e belíssimos passeios a pé para fazer. Como chegamos no meio da tarde, nosso tempo ao redor do centrinho foi curto, mas deu para conhecer o Forte de Peniche e a pequena e caminhar pelas ruelas da cidade. Encantadora!

O que fazer em Peniche

O que fazer em Peniche

O que fazer em Peniche

Mas, a principal atração da região não fica na cidade! Aliás, fica a bons 20 minutos de trajeto de lancha saindo da marina… a ilha de Berlengas. Gente, que lugar FENOMENAL!

Se você quer – você deve, mas não vou sair impondo assim né? – fazer esse passeio, recomendo fortemente que chegue cedo na região da marina, que é onde ficam as empresas que fazer o trajeto. Normalmente são dois turnos – com algumas variações dependendo da companhia – indo de manhã e voltando e tarde, e indo a no meio do dia e voltando no final do dia. Seja qual for a sua escolha, chegue cedo para reservar seu lugar senão pode perder viagem. O valor ida e volta fica em torno de 20 euros por pessoa e o trajeto é tranquilo. DICA: Se a lancha tiver um “andar de cima” e você não gosta de se molhar, não faça a diva e sente por lá ok? HAHAHAHAHA Experiência própria.

Outra recomendação é que você se prepare e faça um lanchinho para comer por lá. Existe um restaurante por lá mas, com é de se esperar, os preços não são lá muito amigáveis e o menu é bem restrito. Mas, escolha sua. Além do lanchinho, vale a pena levar ou ir com sapatos confortáveis e que serão úteis para fazer todo o trajeto da ilha.

A ilha de Berlengas é a ilha principal do arquipélago e lá vivem algumas pessoas que fazem a preservação da ilha. Eles conhecem o território e a história do lugar como ninguém então se estiver curioso, bata um papo com os locais.

O passeio em si vai começar seguindo a trilha, totalmente demarcada e asfaltada, ilha acima. Sim, ilha acima. O morrinho é grande – e a vista espetacular – então esteja avisado. Difícil mensurar em quanto tempo você percorre todo o percurso pois depende muito do seu caminhar, das paradas que você possa fazer – existem alguns pontos de visita como o Farol e o Forte no meio do caminho, além de mirantes que você pode parar e apreciar a vista. O conselho aqui é: caminhe sem pressa, aproveite cada minuto nesse paraíso e CUIDADO COM AS GAIVOTAS! Elas são MUITAS e algumas chocam os ovos no meio do seu caminho e sim, elas vão tentar te atacar enquanto você passa. Então, muito cuidado. Diego quase levou uma bicada na cabeça, mas sobreviveu e passa bem.

O que fazer em Pencihe

O que fazer em Peniche

O que fazer em Peniche

O que fazer em Peniche

Na volta, termine o seu passeio curtindo um sol na prainha de água congelante que fica na base da ilha. A cor do mar é de tirar o fôlego e vale a pena passar o resto do tempo por ali antes de voltar à civilização.

O que fazer em Peniche

O que fazer em Peniche

ONDE SE HOSPEDAR?

E se você está se perguntando onde você ficar durante a estadia, eu tenho a dica perfeita: B&B Kate Kero. Fechamos a reserva através do Booking com um preço excelente. Vou ser sincera e confessar que, pelo preço, esperava um hotel simples e bem normal mas ao passar pela recepção e chegar no quarto eu só pensava “quero morar aqui”!



Booking.com

O quarto é super confortável e bonito, o banheiro moderno e limpo e a sacada com uma vista pra marina e um pôr do sol fantástico! Como havíamos reservado apenas uma noite, tivemos a ideia de esticar a estadia por mais um dia, mas infelizmente não tinha mais quartos. O café da manhã também surpreendeu. Apesar de simples, era bem gostoso e tinha boas opções, como pães, frutas e bebidas quentes e frias. E a cereja do bolo fica por conta da localização: de frente pra Marina, perto de vários restaurantes e sorveterias e do Forte de Peniche. As praias principais ficam um pouco mais longe, mas estando de carro, a locomoção não vai ser problema. Ah, e por falar em carro, tem um espaço quase em frente ao hotel que é liberado para estacionar, viu?

O que fazer em Pencihe

O que fazer em Peniche

O que fazer em Pencihe

O que fazer em Peniche

O que fazer em Peniche

Desafio: TAG WANDERLUST

A palavra do momento é também um sentimento compartilhado por muitos: WANDERLUST. O significado é simples porém grandioso: o desejo de viajar, a sede por viagens. A palavra alemã é tratada como um sentimento profundo de conhecer o novo, conhecer o mundo, explorar o território e é graças a essa palavra que conseguimos traduzir esse siricutico que todos nós amantes por viagens temos.

E para falar um pouquinho sobre esse sentimento, hoje eu tô aqui para responder a algumas perguntas da tag WANDERLUST que a querida Dalila Ali Barakat do blog Mil e Uma Viagens me desafiou e eu prontamente aceitei: afinal, falar sobre viagens é o que move esse blog, não é mesmo? (Intercâmbio também é viagem, tá?)

1. Quando e para onde ia o seu primeiro avião?
Para Fortaleza em 98. Fomos visitar parentes na cidade e eu era bem novinha, tinha meus 11 anos e foi uma festa. Foi a família quase toda, primos, tios, avós e foi a maior farra! Foi super divertido e tudo muito novo. Na época viajamos de Transbrasil e eu lembro tanto disso por conta do rabinho colorido que o avião da cia tinha. Foi muito marcante e uma ótima primeira experiência.

2. Para onde já foi e gostaria de voltar?
Ahhhhhhh, essa apesar de não ser dificil de responder, é dificil de escolher. Mas Paris foi o lugar que mais me marcou. Paris sempre foi meu sonho desde criança, tenho uma conexão com aquele lugar que vem de outras vidas e quando finalmente pude conhecer (graças ao meu querido marido que era namorado na época) foi muito mágico. Rolaram lágrimas. Foi tudo lindo e perfeito e só me deixou com mais vontade de morar e viver os resto dos meus dias naquela lugar. Washington DC e Lisboa também são fortes candidatos nessa lista.

3. Você está viajando amanhã e dinheiro não é problema. Para onde vai?
Aiiiiii, Egito, Jordânia e Israel. E se sobrar tempo, Grécia. Sou fascinada por esses lugares, apaixonada pela história e sou louca para conhecer!

4. Método preferido de viagem: avião, trem ou carro?
Carro. Bom, depende muito do trajeto, mas preferencialmente carro. Dirigir nos dá mais liberdade de criação de roteiros e improvisação, vemos paisagens que não veríamos viajando por outros meios, conseguimos chegar a lugares que não chegaríamos.

5. Site preferido de viagem?
Aprendiz de Viajante

6. Para onde viajaria só para comer a comida local?
Itália!!!!!!!!!!!!!!

7. Você sabe o seu número de passaporte de cabeça?
Não! rs

8. Você prefere o assento do meio , corredor ou janela?
Eu prefiro a janela, mas o meu nervosismo prefere o corredor pelo fato de eu ter que levantar pra fazer xixi a cada 5 minutos. Hahahahaha SIM, TENHO MEDO DE AVIÃO, ME JULGUEM!

9. Como você passa o tempo quando está no avião?
O tempo não passa! Hahahahahahahahahahaha Tomo dramin e tento dormir. Se tiver entretenimento de bordo, assisto filme. Tento me distrair jogando, ouvindo musica… não que funcione muito, mas vira um ciclo de tentativas. Fico horas vendo o mapinha de voo também e isso me deixa mais ansiosa mas nunca paro! Hahahahahaha

10. Existe algum lugar para onde você nunca mais voltaria?
Até agora não… teve lugares que eu não gostei muito, mas daria sim segunda chance para me conquistar como Los Angeles, São Francisco e Barcelona.

E como desafio é para ser compartilhado, desafio alguns queridos a responderem essa tag e deixar eu a gente conheça um pouquinho mais de cada um. Vamos a eles?

7 destinos em Cork que você precisa conhecer

Eu amo viajar e conhecer lugares novos – e tenho certeza de que se você tá vivendo ou preparando seu intercâmbio você é dos meus – e morando em Cork não seria diferente. Aqui no Brasil, eu sempre gostei de fazer viagens, inclusive as curtas – entenda bate-volta – e sempre me deliciei em dias ótimos fora da correia de São Paulo, conhecendo cidadezinhas próximas, gastando pouco e me divertindo horrores! Sempre levei comigo essa ideia, imaginando que na Irlanda eu poderia fazer isso sem pensar muito. E não é que realmente é mais do que possível?

A partir de Cork é possivel fazer inúmeros bate-volta, inclusive para outros condados, como Dublin, Galway, Limerick, etc. Sempre recomendo alugar um carro para o passeio ser mais confortável e independente, mas existe ônibus e até agencias de viagens que fazem passeios de um dia, que você pode aproveitar se não quiser ter de se preocupar em pesquisar e dirigir. Eu, particularmente fico com a opção de dirigir – bom, não eu no caso, Diego dirige e eu planejo, porque sabe como é né? Adoro ter meu motorista particular!

Como todo mundo sabe, Cork é um ovinho e você pode conhecer a cidade em 2 dias se quiser fazer o modo slow. Então, se você mora por lá, é bem provável que vai se pegar alguns finais de semana coçando a cabeça e com faniquito de fazer alguma coisa. E é aí, meu caro leitor (a) que eu entro na história e salvo o seu dia. Hoje eu separei 7 destinos em Cork, que podem facilmente ser visitados em 1 dia. Salvei seus planos para o final de semana, não? – dê um like de agradecimento, tá?

1. Fota Wildlife Park

Destinos em Cork - Fota

Particularmente um querido meu, o zoológico é uma ótima opção para curtir um dia de verão irlandês, ou qualquer dia, afinal se não tem como fugir da chuva, junte-se a ela. Eu já falei do Fota em um post aqui no blog mas nunca é demais não é mesmo? O passeio pode ser combinado com um pulinho em Cobh, mas como eu gosto de aproveitar cada atração o máximo possível, eu deixaria Cobh para um outro dia.
Voltando ao zoológico, o parque em si não é muito grande, mas você pode aproveitar bastante. Tem uma variedade considerável de animais, muitos deles soltos então você pode ter contato direto com os bichinhos. A paisagem é linda assim como toda a Irlanda, e tenho certeza de que um piquenique depois de visitar todo o zoológico seria fechar o passeio com chave de ouro. Junta aquela galerinha bacana e vão curtir um sábado no zoológico. Novas aventuras, isso é intercâmbio viu gente? A entrada para estudante é 11.50 EUR. Já para adultos a entrada fica 16 EUR e a melhor forma de chegar lá é de trem. O trajeto dura em torno de 15 minutos. Ah, fiquem atentos que a paisagem no caminho é bem bonita. Câmeras a postos!

2. Cobh

Destinos em Cork - Cobh

Cobh também tem post especial aqui no blog e é, sem dúvidas, uma cidadezinha bastante agradável. Seja pelo seu clima interiorano, seja pelas cores, pelo mar, Cobh certamente vai te ganhar em alguns minutos de caminhada. Antes de mais nada, saiba que Cobh se pronuncia “Couv”, ou algo próximo disso, ok?
Também pertinho de Cork, algumas estações para frente de Fota, você vai chegar em Cobh, a última parada do Titanic antes do naufrágio. Sim, por essa você não esperava né? A pequena cidade do condado de Cork tem história.
Lá você pode conhecer o museu do Titanic, obviamente não tão grande quanto o que existe em Belfast, mas um bom passatempo. Além disso, você deve caminhar pelas ruelas e ladeiras, ver as famosas casinhas coloridas e a Catedral da cidade.
Depois de passear por Cobh, que tal conhecer a pequena Spike Island, ali pertinho? Em apenas 7 minutos, de ferry, você chega na ilha que abriga uma antiga prisão e vistas deslumbrantes do porto de Cobh. Vale MUITO a pena!

3. Midleton

Destinos em Cork - Midleton

A cidade, famosa por abrigar a Destilaria Jameson, recebe muitos visitantes dispostos a conhecer como é feito o whisky tão apreciado. O passeio por Midleton em si se baseia na destilaria. Lá o visitante pode conhecer todo o processo de fabricação, tirar dúvidas, além de poder degustar a bebida e ainda poder comparar o Jameson com outros de grande nome – a ideia é degustar todos para provar que Jameson é superior a qualquer outro.
Durante a visita, você verá maquetes, vídeos, objetos, tudo relacionado a fábrica que se mantém conservada há 150 anos, tudo isso com a ajuda e monitoração de um guia que dá detalhes e curiosidades de cada parte visitada.
Ao final, você pode se deliciar com um almoço do restaurante da destilaria, e ainda tomar  mais uma dose de Jameson – porque você pode!
A melhor forma de chegar até lá é de trem, partindo da Kent Station em Cork com destino a cidade de Midleton. A destilaria fica a uns 10 minutos de caminhada da estação.
Depois de tudo, vale a pena passear pelas ruas de Midelton, com calma, apreciar as paisagens residencias típicas e riscar mais uma cidade Irlanda do mapa.

4. Ballycotton

Destinos em Cork - Ballycotton

Que passeio maravilhoso! Ballycotton, pra mim, foi uma surpresa sem tamanho! Esse é um passeio que eu acho que todo mundo em Cork deve fazer.
Para esse destino, eu recomendo fortemente que se alugue um carro. O trajeto até lá dá uns 50 minutos e, pra variar, dá pra curtir algumas paisagens lindas. Ah, outra forte recomendação é: sapatos confortáveis.
Lá na cidade tem lugar para estacionar o carro e então, você está livre para explorar. Você vai ver algumas placas indicando o inicio da Cliff Walk e basta seguir, tirar muitas fotos pelo caminho e aproveitar cada minutinho nessa terra maravilhosa.
A trilha tem extensão aproximada de 8km e é super tranquila. Tem algumas praias que você consegue acessar sem maiores problemas, vários mini cliffs pelo caminho, muita natureza envolvida. Eu confesso que não consegui chegar até o final, o sedentarismo me venceu mas até onde fui, foi simplesmente sensacional!!!!!!! Além das memoráveis paisagens, devo mencionar que é tudo FREEEEEEEEEEEE!

5. Mizen Head

Destinos em Cork - Mizen Head

Um ponto turístico irlandês não tão explorado mas com grande impacto aos olhos dos visitantes. Essa é a península de Mizen Head. Esse é o bate volta mais longe da lista mas, sem dúvida o mais bonito! A viagem até lá dura mais ou menos 2 horas e se dá pelas típicas estradas irlandesas: estreitas e com uma variedade gigantesca de paisagens, misturando o verde da vegetação, o branco das ovelhas e o azul, ora do céu, ora do mar à medida que você vai chegando a costa.
Lá é possível conhecer o pequeno museu que conta em detalhes a história do lugar e caminhar por entre as trilhas para visitar e apreciar os penhascos, ponte e farol de todos os ângulos.
A entrada é paga – Adulto 7.50 EUR / Estudante 6 EUR – e vale cada centavinho gasto. Dica: levem um piquenique; lá você encontra um café mas a variedade de comida é quase nula. Eu recomendaria levar um lanche, comprar um chocolate quente no café local e comer na parte externa, apreciando a vista – óbvio que o vento é uma constante na Irlanda, então, deal with it.

6. Myrtleville + Fontainstown

Destinos em Cork - Myrtleville e Fontainstown

Duas prais super conhecidas que ficam nos arredores de Cork e ambas de igual beleza. Uma recheada de formações rochosas para ser explorada – Myrtleville – enquanto a outra oferece um recuo de pedras, ótimo local para fazer um luau, curtir o pôr do sol, namorar… Ahhhhh, são dois lugares de uma simplicidade tão grande mas que enchem os olhos de qualquer visitante.
Ambas ficam a cerca de 40 minutos de distância de Cork. Eu recomendo a viagem de carro, porém existe a linha 220 do ônibus que sai de Cork em direção a Fontainstown. Uma praia está a minutos de distância da outra, então é super possível conciliar as duas visitas.
Começaria por Fontainstown, andaria pelo recuo de pedras, tomaria um chocolate quente olhando para o mar. Quando você aprende o valor dessas pequenas coisas, toda a simplicidade de uma visita supera a mais movimentada cidade européia. É profundo isso, eu sei, mas é como eu realmente me sinto nesses dois lugares.
De lá, vai direto pra praia de Myrtleville e explore a praia como um todo – se tiver coragem, entre na água. Suba nas pedras, aprecie a vista, caminhe por toda a extensão e admire a bela paisagem  que você tem à frente.
Após as duas visitas, ainda na praia de Myrtleville, tem um restaurante, o Bunnyconnellan, que é um dos melhores lugares que comi na região de Cork. A comida é deliciosa e o preço super amigo. O restaurante é muito bonito e com uma vista de tirar o fôlego. Se o tempo tiver bom, você pode comer na área externa, podendo ter a belíssima paisagem como companheira.

7. Kinsale

Destinos em Cork - Kinsale

Kinsale é uma cidadezinha bem pequena, a cerca de 30 min de distância de Cork. É uma região muito conhecida quando se trata de gastronomia, dizem que se come MUITO bem por lá. Cidadezinha portuária, muito colorida, pacata e muito atraente, Kinsale certamente é um destino certo quando pensamos em uma day trip. Lá você pode andar pelas ruas, conhecer o Charles Fort e o James Fort, visitar o Desdemond Castle e ainda o museu do vinho. A cidade é pequena mas oferece muitas atrações para seus visitantes.