Esse final de semana eu vi muitos posts nos grupos de Intercâmbio no Facebook sobre arrumar trabalho na área de TI na Irlanda. A opinião é geral: “vem que tá bacana, aqui tem muita vaga na área, tá todo mundo contratando, vem ser feliz!’. Mas… será que é assim mesmo?

As vezes eu me pergunto o quanto as pessoas que não trabalham na área TI efetivamente conhecem a área. Se você fala que trabalha com TI, o cara já cresce o olho e fala que você tá perdendo tempo, que deveria mandar currículo para todas as vagas que aparecem pois você vai se dar bem. Se tem passaporte europeu então, tá feito na vida! Melhor combinação: TI + passaporte europeu = tá rhyco!

A área de TI é MUITO grande. Tem inúmeras ramificações e profissões voltadas para a área, não significando que TI seja uma profissão. A divergência já começa por aí. Eu trabalho na área de TI; sou Analista de Qualidade de Software ou Quality Assurance Analyst. Não sei programar. Não sei mexer com redes. Sei muito pouco de Banco de Dados. Sei a teoria da Gerência de Projetos. Não dou suporte a hardware/software. Já conseguem exergar onde estou querendo chegar? Trabalhar na área de TI não é uma coisa geral; cada pedacinho tem uma qualificação diferente. Tem gente que conhece mais de 1, tem gente que mal conhece 1…

Agora, vamos ao ponto em que eu discordo da maioria das pessoas: “lá na Irlanda não precisa ter inglês bom pra conseguir um trabalho na área de TI, vai fundo”. Essa é a PIOR coisa que alguém pode dizer. Já recebi emails de pessoas me perguntando “Nadine, eu tenho inglês bem básico, mas tenho passaporte europeu e trabalho com TI; será que eu consigo emprego na área?” e eu respondo “Muito provavelmente não”. E a pessoa acha ruim porque fulano ou ciclano garantiu que a pessoa conseguiria sim, porque a Irlanda tá crescendo na área de tecnologia e bla bla bla bla. Você consegue imaginar um Gerente de Projeto que não consegue se comunicar decentemente ou um Help Desk que não consegue entender o problema do cliente ou que não consegue explicar como resolver o problema?

Gente, o que eu to querendo mostrar para vocês é que vagas existem sim. E muitas. Mas você pode ser o foda da sua área no Brasil. Se você for tentar alguma coisa na Irlanda, sem saber ao minimo de comunicar em inglês – saber pedir um lanche no McDonalds não faz de você um nativo, veja bem -,desculpa mas você será um analfabeto. E isso não é uma ofensa, é apenas um lembrete de que você precisa sim estudar e garantir a sua comunicação antes de começar a pensar em trabalhar na sua área. 

Vamos a um exemplo mais prático ainda. Eu morei 2 anos nos EUA. Fui Au Pair todo esse tempo, fiz cursos de inglês, fiquei craque. Isso há 10 anos atrás. Fui para a Irlanda em 2015 mas completamente insegura do meu inglês. Preferi esquentar um pouco antes de qualquer entrevista, afinal, fazia muito tempo que não usava o que havia aprendido. Não estava estudando, estava apenas fazendo bico de babá, mas usando meu inglês o dia inteiro e todo dia. Depois de um tempo arrumei uma entrevista, na minha área, nada mais nada menos que no Banco Central da Irlanda. Acredito que meu CV tenha chamado atenção, pois tenho bancos e Bolsa de Valores incluidos nele e isso pesa, não pesa? Não considero meu inglês fluente, ainda preciso de muito mais treinamento, mas coloco entre avançado e fluente. Já dei aulas para niveis básicos e uma das minhas alunas, inclusive, tirou um certificado de proeficiencia em ingles. Então, meu ingles não é ruim. Peguei nas mãos de Deus e fui fazer a bendita entrevista… e foi um fiasco! Por conta de tudo: ingles, nervosismo, pressão, afinal, era o Banco Central da Irlanda. Passei vergonha mas foi um tremendo aprendizado: é preciso aprender a andar antes de correr e ainda estava caindo nas tentativas de corrida.

Vamos agora, pegar o exemplo do meu marido. Cidadão português, mais de 10 anos de experiência na área e inglês intermediário. Fez uma entrevista para uma vaga FODA em Tralee, no condado de Kerry. A vaga tinha tudo para ser dele… se não fosse o inglês. Tinha conhecimento, poderia trabalhar mas não conseguia se comunicar da forma que a empresa necessitava.

Existem exceções? Com toda certeza! Já vi muita gente, especialmente programador, que conseguiu trabalho mesmo com um ingles intermediário. Tudo vai depender da vaga, da empresa e de como, lógico, você vai conseguir se vender. A verdade é que é sim possivel conseguir um trabalho na área, mas não é regra. Não vai sair do Brasil achando que você vai ser o fodão por lá por que não é bem assim que a coisa funciona. A área de TI é sim muito grande aqui no Brasil e lá fora, mas você precisa preencher os requisitos e o inglês, lá na Irlanda, é uma obrigação.

Foto: Freepik

Author

12 Comments

  1. Larissa Busnello Reply

    Nadine, meninaaa você abriu meus olhos.

    Sou Analista de Qualidade, sendo mais especifica e-commerce tester de software, trabalhei 7 anos na área e sai da empresa o qual estava faz 3 meses justamente para começar a me preparar para o intercambio e mudar de pais. Sou formanda na área de Gestão de Tecnologia da Informação (eu e o marido, rsrs). Em Janeiro estou indo para a Itália tirar minha cidadania, e logo depois partirei para a Irlanda, nosso destino final e se Deus quiser nosso lar.

    Não sei exatamente como esta o mercado para essa nossa área atualmente, mas espero que não muito diferente do que relatou.

    Agradeço imensamente seu tempo de falar um pouco sobre a qualidade dentro de T.I, pois realmente poucos sabem que a qualidade também encontra-se nesta área.

    Acredito que sim que o Inglês deve ser obrigação de quem esta morando na Irlanda por isso eu e meu marido nos matriculamos em uma escola, tenho um básico mas não o suficiente para concorrer a uma vaga, e claro, passaporte Europeu nessas horas também ajuda e muito.

    Espero nos encontrar-nos por ai <3
    Grande beijo e muitíssimo obrigada,
    Lari.

    • Nadine Jalaim Reply

      Opa!!!!! Uma companheira de área!!!! rs

      Ótimo que o plano de vocês já contempla um periodo de estudos. O Ingles é muito importante nessas horas e nós, tanto eu quanto meu marido, sabemos muito bem disso. Eu não tenho visto como anda o mercado por lá nesses ultimos tempos, mas em breve já vou começar a olhar novamente!!!

      O que eu sei é que a automação de testes é a menina dos olhos, tanto aqui no Brasil quanto lá na Irlanda e se vocês conhecem ou tem noção, já estão anos luz a frente de muita gente!!!!!!!!! Vamos vamos trocar figurinhas, me manda email no contato@proximacurva.com e a gente troca uma ideia se vocês quiserem!!!!

      Fico feliz em ver que o conteúdo tem ajudado!!!!

      Bjos!
      Nadine

  2. Marcos Monsores Reply

    Olá Nadine,
    Primeiramente, parabéns pelo blog!
    Eu já morei por 2 anos aí em Dublin como intercambista (inglês e trabalho), voltei p terminar minha graduação.

    Pois bem, época difícil para os engenheiros recém-formados… rs
    Formei em Engeharia de Produção e não consegui inserir no mercado.

    Entendo que as empresas aí tenham loucura por profissionais de TI com experiência e inglês ok.

    Mas… e quem vem de outras formações e queiram ir pra estudar na área de TI * na Irlanda, vc tem notícia de como o mercado absorve este tipo de “profissional em formação”?

    * cheguei a ver um curso na Griffit College de “Higher Diploma in Science in Web Development” part-time.

    Obrigado!

    • Nadine Jalaim Reply

      Oi Marcos!!! Obrigada pelo comentário!!!!

      Olha, eu acredito que haja espaço inclusive para quem esteja estudando. Por+em, devo me intrometer. Eu sou da área de TI, mais especificamente Qualidade de Software. Existem diversas areas dentro da TI e cada uma com o seu foco e sua base de estudos. Não sei qual o conhecimento e a abrangencia do que você sabe sobre a area, então, o conselho que eu dou: antes de entrar de cabeça nisso, faça uma pesquisa minuciosa e aprofundada sobre os focos de cada area para entender o que vc estará estudando ou buscando estudar.

      Cursos livres também são muito bem vindos e muito bem vistos no CV.

      • Marcos Monsores Reply

        Obrigado por “se intrometer”, rs. Realmente requer muita pesquisa. Por orientação acabei me testando com cursos livres na área de programação e me pareceu uma área que gostaria de trabalhar.
        Estou cotando uns orçamentos de curso por aí.

        Muito obrigado pelo retorno e muito sucesso pra gente!

        Q1, no futuro, entro em contato… 😉

  3. Excelente post!
    Infelizmente o povo viaja mesmo.
    Sou profissional de TI(programação, análise, professor, suporte) há vários anos, tenho faculdade, pós-graduação e inglês de avançado para fluente, mas mesmo assim ainda não encarei esta aventura devido ao choque cultural, vai saber o que se passa na cabeça de um chefe irlandês? Aí joga tudo pro alto aqui no Brasil, onde temos um bom padrão de vida, com filhos, para correr todo este risco lá fora….Ainda não deu coragem, embora tem asco do Brasil, do jeito que as coisas são aqui e falta de respeito em tudo, principalmente na área profissional, incluso a de TI.

  4. DANIELE GENTILE Reply

    Oi estou indo para Irlanda em 2017 . Meu esposo vai estudar e se possível tentar alguma vaga na área dele Ti. Ingles intermediado eu possuo passaporte europeu e a nossa filha também. Vamos dar entrada aqui no dele porém vai demorar um pouco
    A minha dúvida é se com criança e melhor Cork do que Dublin? E gostaria de saber se há bastante vagas Área de Ti? E A QUESTÃOde moradia ? Obrigada

    • Nadine Jalaim Reply

      Oi Danielle, tudo bem?

      Bom vamos responder o seu comentário por partes, rs.

      Cork ou Dublin – acho que te respondi isso na página do facebook, mas refaço minhas palavras aqui também. A escolha entre essas cidades é muito pessoal. Vocês tem que mensurar quais são os objetivos, interesses da familia. Dublin, apesar é agitada, movimentada e grande – entenda grande nas proporções irlandesas, está bem longe de ser uma cidade grande comparada as capitais brasileiras. Cork, por outro lado, é pacata, vivendo no centro se faz tudo a pé, tem menos opções de lazer mas ainda sim, boas opções. Depende muito do que vocês querem para vocês. Outro ponto a analisar é o custo de vida – acho que o diferencial mesmo é o aluguel, sendo em Cork bem mais barato que Dublin.

      Vagas na area de TI – a area de TI é muito grande. Tem que procurar pela area especifica, mas no geral, a area como um todo está em uma crescente na Irlanda. Dublin tem muito mais oportunidades, mas muito mais concorrencia, enquanto, Cork, por ser menor, oferece um menor número de vagas e consequentemente, concorrencia menor.

      Moradia – é muito dificil alugar casa na Irlanda se você não tiver referencias – alugueis anteriores e trabalho. Mas calma, não é impossivel. Vocês tem que chegar, conversar com as imobiliarias e/ou landlords e ter na manga que vocês vieram para morar e tem dinheiro para se manter enquanto não arrumam trabalho. Importe ter dinheiro para pagar pelo menos 1 ano de aluguel – não que vcs vão dar o dinheiro na lata, mas o landlord saber que mesmo se nao arrumar trabalho, tem dinheiro para pagar, entendeu?

      Acho que deu clarear um pouquinho mas qualquer coisa, estamos aqui, ok?

  5. Parabéns pelo artigo!!!

    Sou de TI e venho lendo algumas informações para trabalhar no exterior.

    Muita gente no Brasil possui essa ilusão por justamente nunca ter saído do país. Algo básico que você citou ( comunicação ) é essencial. Não imagino um dia de trabalho (em TI) sem conversar em qualquer parte no mundo. Seja para orientar ou questionar um cliente ou gerente.

    Boas dicas você citou!!!

    Abraços

    • Nadine Jalaim Reply

      Obrigada pelo comentário, Leonardo! Eu acho importante mostrar essa visão pois vejo a quantidade de brasileiro com essa ilusão ao ir para fora do país. O intuito é sempre alertar, aconselhar para minimizar qualquer tipo de problema lá fora!

  6. Palmas pelo post!
    Choque de realidade é muito bom. As vezes a fantasia domina nossa mente!

    Sou de TI. Redes, helpdesk, support, e o que eu queria hoje era ser programador, pra não precisar da comunicação tanto quanto o suporte precisa.

    Tenho 5.5 como média no IELTS e 6.0 no speaking, mas creio que inda seja pouco! O que acha?

    Parabéns novamente!

    • Nadine Jalaim Reply

      Oi José, obrigada pelo comentário! Acredito que falte um pouco de verdade nas informações disseminadas por aí, então creio que um post como esse é realmente um choque de realidade.
      Olha, é realmente dificil eu opinar sobre isso, pois depende muito mais do que você consegue. Mesmo para ser programador tem que entender bem o ingles e saber se comunicar pois não é somente a questão de trabalho que está em jogo, mas o dia a dia na empresa, a participação em reuniões, a exposição de problemas que você possa ter relacionado a empresa ou não. Tem muitas variaveis. Um bom termometro é: tente participar de alguma entrevista. Acredito que seja a melhor forma de você saber e avaliar como está o seu inglês para o ambiente de trabalho.
      Eu fiz duas entrevistas (não para minha area: uma era Call center e outra Data Analyst) e eu passei nas duas. Foi muito mais tranquilo do que quando fiz no Banco Central.

      Tudo de bom pra vc!

Write A Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.