Muito se fala sobre intercâmbio em Cork: coisas boas, coisas ruins, coisas indiferentes… mas qual é a verdade sobre a cidade? Sobre fazer um intercâmbio em Cork? Sobre o aluguel? Sobre o mercado de trabalho?

Para atrair, obviamente, tudo é pintado como um mar de rosas e, todos nós sabemos, qualquer intercâmbio está sujeito a altos e baixos, alegrias e decepções, sucesso e problemas. Então, no post de hoje, vamos conversar um pouquinho sobre a realidade de se fazer um intercâmbio em Cork, passando por tópicos específicos e mais preocupantes como moradia, trabalho, escola, etc.

Moradia
Quando cheguei em Cork, em Maio de 2015, a cidade estava de fato mais tranquila, era pouco procurada ainda e a oferta de casas e apartamentos estava decente. Mas não significou facilidade para encontrar nosso lar perfeito, diga-se de passagem. O fato é que com o crescimento da cidade, em termos de empresas, muita gente acabou migrando para Cork e abocanhando as vagas que eram postadas prontamente, em questão de minutos um aluguel já era concretizado. Além de tudo, Cork se tornou uma ótima alternativa para Dublin, o que significou muitos estudantes deixando de ir para a capital e escolhendo a pequena Cork como destino de intercâmbio. O resultado disso? Uma crise tremenda de moradia, onde empresas estavam, inclusive, pedindo para seus funcuionários alugarem seus sofás para novos funcionários recém chegados. Pode isso produção? Pois é, não estou mentindo. A procura não só ocasionou uma diminuição da oferta como, também um aumento considerável nos valores de aluguéis – ainda mais barato que Dublin em questão de comparação. Outro ponto de dificuldade bem conhecido entre nós é a questão de documentação para aluguel. Assim como em Dublin, os landlords em Cork solicitam sim comprovação de renda, de landlords anteriores e acabam dificultando a vida de quem tem interesse em alugar uma casa ou apartamento por conta própria. Recorrer à imobiliárias pode ser uma opção, mas nem sempre válida. A questão é: você consegue, mas vai ter que ter paciência, saber pesquisar, negociar e se vender para conseguir o tão sonhado cantinho para chamar de seu.

Trabalho
A questão de trabalho é relativa, pois as variáveis de pessoa para pessoa são diversas. A começar pelo visto: estudante certamente vai ter mais dificuldade de achar um trabalho do que alguém que tenha Stamp4 ou passaporte europeu. Por outro lado, uma pessoa com visto ou passaporte mas sem nada de inglês certamente terá grandes dificuldades em encontrar um trabalho em um país em que o inglês é nativo. Ou seja, as combinações são inúmeras e muita coisa dependerá de você, da sua força de vontade, do seu empenho e do que você estará disposto a fazer. Cork oferece uma gama de empregos considerável – não tão grande quanto Dublin, veja bem – então com um esforço é perfeitamente possível achar um trabalho que te apeteça. A realidade do mercado de trabalho em Cork hoje é bem diferente de quando eu cheguei: certamente a concorrência aumentou e você tem sim que batalhar por um lugar ao sol, não tem jeito. A não ser que você seja uma mega blaster ultra master profissional na sua área de atuação, um visto de trabalho é um sonho distante e você terá que enfrentar perrengues nos trabalhos de cleaner, kitchen porter, pub staff, minder, panfletagem e por aí vai. Algum problema nisso? Eu não vejo nenhum. Crescimento profissional e pessoal passa por todas as áreas e certamente você aprenderá muito (mas muito mesmo) a língua nativa durante o dia a dia no trabalho, Afinal de contas, foi para isso que você se prestou a fazer intercâmbio, certo?

Escolas
O número de escolas em Cork é baixo. São apenas 6 escolas, com uma tabela de preços semelhante, ou seja, o valor é sim mais alto comparado com Dublin. A procura é grande e o número de brasileiros nas escolas também. Então, se você acha que está indo para Cork e não vai encontrar nenhum brasileiro na sala de aula, amiguinho, você está redondamente enganado. Como já falei mais para cima, a procura de estudantes brasileiros pela cidade cresceu muito e a comunidade tupiniquim está marcando presença massiva na segunda maior cidade da Irlanda. O bom é que brasileiro é sempre brasileiro e se você gosta dos conterrâneos, vai se sentir em casa. Se você não gosta, vai pra Groelândia, não sei né. Em questão de aprendizado do idioma, depende de você praticar em sala, no seu dia a dia e não pedir pro amigo falar por você no McDonalds. Se você faz isso, desculpa amigo, não tem como te defender. Quer aprender, mete o pé, quebra a cara, erra e aprende com o erro. Seja com brasileiro, espanhol. chinês, francês, force o inglês e aprenda na marra. Seu investimento foi alto para você desperdiçar então não use o fato de ter muito brasileiro na sala como uma muleta. Faça sua parte.

Custo de vida
Já tem um post que fala bem sobre o custo de vida em Cork aqui no blog, mas vale mencionar né? O seu custo de vida não é igual ao meu, assim como não é igual ao do fulano ou ciclano. Se você gosta de sair para os pubs e encher a cara, seu custo de vida certamente vai aumentar. Se você é fit e gosta de cozinhar em casa e fazer receitas mirabolantes usando produtos simples, obviamente seu custo de vida vai ser mais baixo. A verdade é que você Cork tem espaço para todos os gostos e bolsos. Se você é mais econômico, você consegue viver tranquilamente (Reduced do Tesco é vida, minha gente!). Agora, se dinheiro na sua mão vai como água, Cork também vai te fazer feliz. No geral, por conta do aluguel, o custo de vida em Cork é mais barato que Dublin. Mas as outras coisas (mercado, contas, etc) é basicamente o mesmo, com algumas alternâncias. Mas sim, Cork vai te abraçar e te receber lindamente independente do seu bolso.

Cidade
Bom, esse é um tópico mais complicado pois eu tenho a minha opinião muito bem formada. E certamente muita gente concorda e discorda, mas, vai de gosto e estilo de vida de cada um. A cidade é um amor, é pequenina, é aconchegante, é receptiva e, de primeiro momento, é seu refúgio nesse mundo tão estranho em que vivemos. Para mim, que saí da muvuca de São Paulo, Cork e seu ambiente acolhedor me fizeram sentir em casa desde o primeiro minuto. Mas a lua de mel com a cidade pequena durou pouco. Apesar da cidade oferecer uma gama de de atrativos até considerável, eles são limitados. Cinemas, um shopping, um parque grande, algumas galerias e é basicamente isso. Eu não curto Pub, de fato isso é problema meu, mas o número de pubs na cidade é grande por assim dizer. A dificuldade de lomocação – digo em questão de horarios e intervalos de onibus – restringe muito a vida de quem mora mais afastado do centro, o que era meu caso e acredito que muito da minha decepção se deva a esse fato. Acaba perdendo festivais bacanas, festas de ultima hora ou mesmo uma reunião com amigos, então é um ponto a se pensar muito bem antes de definir onde morar. Depois de um tempo, aquela cidade pequena que tanto me acolheu quando eu cheguei ia se transformando naquele cubinho minusculo enquanto minha vontade de sair crescia. De fato a minha opnião mudou muito de quando eu cheguei e quando eu fui embora e, falando por hoje, talvez não voltaria para Cork. Escolheria outra cidade, com mais opções e mais facilidades se fosse para morar de vez. Quando escolhi Cork, estava em busca exatamente do que ela me oferecia, por incrivel que pareça. Mas, por ser uma coisa nova, não sabia muito bem o que esperar e então percebi que não era aquilo que eu queria. A realidade de Cork é, sem duvida, a realidade de uma cidade pequena. Antes de você decidir ir para lá, você tem que conhecer o que a cidade vai oferecer para você e aceitar, antes de mais nada, a limitação, principalmente se você, assim como eu, sair de uma cidade grande. Sair de de São Paulo e ir para Cork é um choque grande MESMO. Mas você pode se descobrir naquele meio. Ou odiar. Tudo vai depender, novamente, do seu estilo de vida e dos seus objetivos.

 

Um intercâmbio em Cork é um crescimento.  A cidade e seus habitantes são hiper receptivos, calorosos e certamente isso faz muito a diferença. Você se sentir em casa longe de casa é, de fato, gratificante não é? Fazer um intercâmbio em Cork não significa morar definitivamente, então, se algo não te agrada, aprender a superar e fazer seu melhor é crucial pois se for pensar bem, temporário. Agora, se você decidir ficar de vez, saiba lidar com as suas divergências para/com a cidade e aprenda a pesar as coisas boas e ruins para entender o que vale a pena. Cork é linda, é cheia de história, lugares interessantes, especialmente nos arredores e com certeza você encontrará um lugarzinho favorito. Sinto muita falta de morar em Cork e, apesar do meu saldo com cidade ser mais negativo do que poisitivo, a nostalgia das coisas boas supera o que não gostei e sinto que sim, no final das contas, fiz uma boa escolha quando decidi fazer meu intercâmbio em Cork. Acredito que você também fará! 🙂

Author

Write A Comment